Posts

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Visita do Presidente do Estado à Chácara das Bananeiras, em 1915.

A Federação, no dia 19 de março de 1915, sexta-feira, noticiava:

 Visita presidencial

Conforme havíamos noticiado, visitou hontem o Posto de Veterinaria e as diversas installações da Brigada Militar na Chácara das Bananeiras, arrabalde do Parthenon, o exmo. Sr. dr. presidente do Estado.

A’s dez e meia horas, tendo chegado á residencia de sua exa. o coronel dr. Cypriano da Costa Ferreira, acompanhado dos capitães Anatolio Baeckel, instructor chefe, Cândido Pinheiro de Barcellos, secretario e alferes Pellegrino Castiglioni, ajudante de ordens, dirigiu-se para o Posto de Veterinária, instalado no antigo quartel de cavallaria da Várzea do Gravatahy, levando mais em sua comitiva os drs. Protasio Alves, secretario do interior, Domingos Mascarenhas, deputado federal, Renato Costa, official do gabinete e o capitão Lourenço Galant, ajudante de ordens.

O percurso foi feito em automoveis, tendo sido occupados tres destes vehiculos.

A’s dez horas e trinta e cinco minutos chegavam os visitantes ao Posto de Veterinaria, sendo ahi recebidos pelo respectivo encarregado, alferes Francisco Monte.

Logo em seguida dirigiram-se para a ferraria do posto, que se achava funcionando, trabalhando quatro operarios na confecção de ferraduras.

Teve, então, o dr. presidente do Estado, occasião de ver o fabrico de algumas dessas peças, elogiando s. exa. a aptidão dos homens empregados nesse mistér pois a ferraria do Posto de Veterinária apronta até duzentas ferraduras por dia e isso com aproveitamento de ferro velho, proveniente de objectos inserviveis e das próprias ferraduras usadas.

Sahindo da ferraria dirigiu-se sua exa. para um dos pateos do Posto, onde poude observar alguns especimens de reproductores e éguas.

Entre outros foram apresentados o cavallo Indio, puro sangue inglez, pello tostado, de 18 a 20 annos de idade, adquirido em 1905; um mestiço, filho de Menelick, pelo vermelho, com 2 annos de idade; Menelick, puro sangue Orloff, pello, escuro, com 20 annos, animal de tracção; egua meio sangue, zaina, 3 annos, filha de Menelick; egua meio sangue bolognez, pelo picaço, 3 ½ annos, animal de tracção; bolognez ½ sangue, escuro, 3 annos, tracção; bolognez ½ sangue, tordilho, 3. Anos, tracção; reproduclor Remember, 15 annos, zaino.

Visitou sua exa. em seguida as baias do estabelecimento em numero de sessenta e quatro, passando dahi para um segundo pateo, onde estavam cerca de 50 cavallos, tratados á meia estabulação, parte creoulos, reforçados, gordos, e que muito bem impressionou.

Vistos estes animaes, encaminnaram-se todos para a grande mangueira do Posto, onde se achavam encerrados para mais de 250 cavallos do campo, de diversos, pellos e bella apparencia, apesar de não terem trato especial.

Num pequeno potreiro ao lado foram reunidas cerca de 140 eguas de 3 a 5 annos, ½ sangue, 110 já padreadas pelos jumentos e pelos cavallos reproductores, sendo estes em numero de dois e aquelles de tres.

Viram-se mulas e burros de 1ª, 5 mezes, tendo sido muito admirado um destes, pello zaino e avaliado já em um conto de réis.

Eram 11 e 20 minutos, quando se deu por terminada a visita, tendo sua exa. o dr. presidente, antes de sahir, felicitado o encarregado do Posto, alferes Francisco Monte, pela ordem que notou e pela boa impressão que teve de tudo quanto viu.

Deixando o Posto de Veterinária, tomaram os automoveis a direção da Linha de Tiro da Brigada, ahi chegando ás 12 horas.

Neste local foram os visitantes recebidos peto tenente-coronel dr. Assis Brazil, que se occupava em trabalhos de equitação, capitão commandante do Grupo de Metralhadoras, Augusto Januário Corrêa e respectiva oficialidade, capitão Jayme da Costa Pereira, director do Deposito de Recrutas com os officiaes seus auxiliares e o tenente instructor Cicero Perfeito Ferreira.

Desembarcando junto ao Picadeiro, instalação modelar no gênero, ahi estiveram, durante ½ hora, sua exa. o dr. presidente, respectiva comitiva e os demais officiais.

Durante este tempo, o dr. Assis Brazil prelecionou sobre os processos que emprega para o ensino da equitação, desde os exercícios gymnasticos no cavallo de pau até os mais difíceis, em movimento, com o proprio cavalo.

Visto o picadeiro, teve lugar a visita ao elegante e confortável quartel das metralhadoras, quase a concluir-se, tendo sido este edifício percorrido em todas as suas dependencias. No pateo interno do mesmo acha-se prompto e installado um systema competo do apparelhos de gymnastica, como existem nos demais quarteis da milicia.

Perto do quartel das metralhadoras, e já construído ha algum tempo, existe o Paiol de Munição, servindo lambem provisoriamente de parque daquellas armas.

Ahi estiveram os visitantes, tendo sua exa.o dr. presidente examinado todo o material neste local depositado, recebendo detalhadas informações a respeito dadas pelo coronel commandante geral, como sejam o fabrico de arreios e cargueiros apropriados para as metralhadoras, feitos nas officinas da Brigada, caixas de munição etc.

Ao deixar o paiol de munição foi sua exa. assistir á formatura a cavallo de uma secção do Grupo de Metralhadoras, comandada pelo alferes Paulino Leite, a qual, após algumas evoluções, retirou-se a quartel ás 13 horas e 10 minutos.

Convidado pelo comandante geral coronel Cypriano Ferreira, sua exa. e respectiva comitiva tomaram o caminho que conduz ao Stand de tiro, em cuja sala de honra se detiveram em rapida palestra, dirigindo-se todos, momentos depois, para o salão ondo se achava posta uma mesa para um lauto almoço.

Este terminou ás 15 ½ horas, sendo ao champagne brindado por sua exa. o dr. presidente do Estado, o coronel commandante geral da Brigada, dr. Cypriano da Costa Ferreira. Neste brinde disse sua exa. que, visitando o local da Linha de Tiro da Brigada, o fazia não só para observar os novos melhoramentos, ahi introduzidos, mas tambem e muito particularmente para trazer ao coronel Cypriano com bastante significação o seu abraço de despedida, além do que iria levar-lhe por occasião da partida; que os serviços inestimáveis prestados pelo coronel Cypriano, tanto na guerra como nos labores da paz constructora, á Brigada e ao Estado o tornavam credor da alta consideração dos poderes publicos e da sua particular, pois contava esse digno militar entre o numero de seus melhores amigos: que o nome do coronel Cypriano estava ligado ao facto da Republica e que, vendo-se privado do seu leal e fecundo concurso, tinha a certeza, entretanto, de que o Governo
Federal, chamando-o para o desempenho da alta funcção de chefe do Estado Maior da 3ª divisão, saberia avaliar o mérito do illustre militar que é um ornamento de sua classe.

Levantava sua taça em honra do coronel Cypriano.

Em resposta disse este sentir-se justamente, desvanecido por saber terem, sido bem apreciados os serviços que com dedicação e lealdade prestou á Brigada Militar e, portanto, ao Rio Grande, sua querida terra natal.

E mais desvanecido ainda quando via partir da mais alta auctoridade, do Estado conceitos tão elevados á sua humilde pessoa.

Ao dr. Borges de Medeiros, emérito presidente do Estado, glorioso chefe do partido republicano, querido e acatado, agradecia tão elogiosas referencias, levantando também a taça em sua honra.

A’s 16 horas, após ter-se servido café, teve lugar um ligeiro exercício de fogo de uma secção de metralhadoras, batendo-se alvos até 500 metros, fazendo-se diversas especies de tiro, principalmente o ceifante vertical.

Terminado este exercício com geral agrado de todos, dirigiram-se sua exa. o dr. presidente, o coronel Cypriano, o dr. Mascarenhas e os demais membros da comitiva e oficiais presentes para a represa do Arroio Ferradura, distante do stand mais ou menos 2 kilometros, tendo sido feito o trajecto, parte em automoveis e parte a cavallo. Durante este percurso poude ser observada a optima estrada de rodagem que, por conta da Brigada, está sendo construída, vendo-se já promptos trabalhos numa extensão de 1.000 metros.

Esta construcção está sendo dirigida pelo capitão Figueiró, oficial reformado da milícia.

A’s 17 horas chegaram os visitantes á referida represa, destinada á fornecer a todos os edificios da Linha de Tiro agua boa o em abundância, a qual é levada a uma caixa installada aquém do morro abaixo de cuja vertente opposta corre o Ferradura.

Junto da represa acha-se a casa das machinas que fazem funcionar a bomba destinada áquelle fim.

Ainda sobre o Ferradura, no ponto em que passará a estrada em construcção, acha-se quasi concluído um bello pontilhão, feito pelo official que dirige os trabalhos da mesma estrada.

Deixando a represa seguiram todos a percorrer os extensos campos dobrados, cobertos aqui e ali de bosques, alguns com arvores de madeira de lei, passando assim por quatro casas de posteiros, que tantos são os que ahi existem, bem cuidadas e confortáveis.

A’s 7 ½ horas chegaram os excursionistas ao açude feito no alto de um morro e uns 200 metros de altitude, podendo dahi descortinar bellissimos panoramas em todas as direcções.

A’s 18 ¼  horas, após quase duas leguas de cavalgada, chegaram todos ao ponto em que se achavam os automoveis, parte terminal da estrada prompta, seguindo dahi novamente para o stand do tiro, onde foram servidos café e licor.

No livro dos visitantes ficou consignado o seguinte: “18 de março de 1915 – Visita em despedida ao illustrissimo coronel Cypriario da Costa Ferreira, que parte para a Capital
Federal, onde vae assumir a chefia do Estado Maior do Quartel General da 3ª Divisão.

(Assignados) Borges do Medeiros, Protasio Alves, tenente-coronel Assis Brazil, dr. Domingos Mascarenhas, dr. Renato Costa, official de gabinete”.

Eram 19 horas quando sua exa. o dr. presidente e os que o acompanharam, deixaram a Chacara das Bananeiras, chegando à cidade ás 19 horas e 25 minutos.

Fonte: A Federação, Anno XXXII, Edição 063, de 19/03/1915, sexta-feira, página 1 * Mantida a grafia da época.

 

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Do Boletim da Brigada Militar, de 13 de março de 1916

A Federação, no dia 13 de março de 1916, segunda-feira, noticiava:

Do boletim de hoje, da Brigada Militar:

– Para o conselho militar a que tem de responder, por crime de deserção, o soldado do 1º Regimento de Cavallaria Fulano de Tal**, são nomeados: presidente, o tenente-coronel Francelino Rodrigues Cordeiro; interrogante o capitão João da Cruz; auditor, o capitão dr. José Gomes Ferreira; juízes os tenentes Americo Monteiro Da Costa e alferes Luiz Gonçalves de Lima.

– O capitão director da Linha de Tiro remetteu á secretaria do commando geral o mappa do exercicio de tiro realizado no dia 8 do corrente, pelo pessoal da Secção de Amanuenses e do Grupo de Metralhadoras.

Neste exercício, o pessoal da Secção de Amanuenses deu 65 tiros, acertou 32, com 49,23% e o do Grupo de Metralhadoras deu 270 tiros, acertou 113 3 obteve 42,96% de impactos.

– Os exames práticos começam a 15 do corrente para os inferiores e a 20 pata os officiaes.

A comissão examinadora fica constituída do tenente-coronel comandante geral interino, tenente-coronel Aristides da Camara e Sá, major Gregorio Portuguez e tenentes instructores Jayme da Costa Pereira e João de Deus Canabarro Cunha e a dos officiaes, do tenente-coronel comandante geral, tenentes-coronéis Fracellino Cordeiro e Claudino Nunes Pereira e tenentes instructores Anatolio Baeckel e Emilio Lucio Esteves.

– Em officio n.44, de 11 do corrente, o capitão Mirandolino Machado comunicou que fez entrega, a 10, também do corrente, da direção da Linha de Tiro, Deposito de Recrutas e Picadeiro, ao capitão José Rodrigues Sobral e, este, em officio n. 1, daquela data, participou ter assumido aquelle cargo, encontrando certa e em boa ordem a carga respectiva.

– O capitão directos da Linha de Tiro remeteu á secretaria do commando geral o mappa do exercício de tiro realizado no dia 8 do corrente, pelo pessoal do Deposito de Recrutas.

Neste exercício foram dados 90 tiros, acertando 51, com 56,66% de impactos.

– O cirurgião dentista da Brigada, antes de terminar o 1º período do programma de instrucção, fará nos corpos, prelecções versando sobre “Hygiene da Bocca”, de acordo com o programma de instrucção em vigor.

Fonte: A Federação, Anno XXXIII, Edição 060, de 13/03/1916, segunda-feira, pág. 5 * Mantida a grafia da época

**Nome omitido

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – A Chácara das bananeiras, em 1914.

A Federação, no dia 04 de março de 1914, noticiava:

Brigada Militar do Estado

Quartel na Chácara das Bananeiras

Outras Construcções

É sempre agradável uma visita á Chácara das Bananeiras.

O local é aprasivel, offerecendo magníficos pontos de vista, de onde se descortina a cidade e partes da margem opposta do Guahyba.

A presença dos morros não concorre menos para o encanto do sitio, ainda que desse lado do horizonte se restrinja, confundidos, a curta distância, o verde da vegetação com o azul do céu, numa perspectiva commum dos nosso campos.

Causam boa impressão os accidentes do terreno, as ondulações da encosta e a curva sinuosa das cristas. O ar pareço mais leve, sendo incontestavelmente mais fresco e mais puro.

Tudo dispõe bem o espirito do visitante, para apreciar o sitio nos mínimos detalhes da natureza e nos muitos e importantes melhoramentos ali introduzidos pela mão do homem.

Graças ás providencias de um governo fecundo, que cogita de dotar a milícia estadual de installações adequadas ao bem-estar das praças e a uma perfeita instrucção militar, indispensável ao bom desempenho das funcções de qualquer força armada, os proprios da Brigada Militar recebem contínuos aperfeiçoamentos, sendo digno de nota especial o que se passa na Chácara das Bananeiras.

A primeira construcção ali feita, para fins militares, foi a linha de Tiro, trabalho importante, de grandes vantagens para o preparo da tropa, e que represente também a primeira modificação do aspecto do local. Posteriormente, o edifício existente foi aproveitado, depois de ultimadas as adaptações indispensáveis para quartel do deposito de recrutas. Ahi são recolhidos os recrutas da Brigada Militar para serem classificados e distribuídos pelos corpos quando passam a prompto da instrucção preparatória.

Ultimamente verificou-se a conveniencia de construir-se um quartel amplo e confortavel, tendo o benemérito governo do Estado autorisado a execução das obras correspondentes, que vão adiantadas.

Este quartel fica localisado á direita da linha de Tiro e no alinhamento do “stand».

A posição é magnífica, não somente quanto ás condições de salubridade e facilidades da instrucção, como quanto á vista. Dahi se descortina um panorama verdadeiramente bello, como em todos os pontos elevados das cercanias de Porto Alegre.

Lá fomos ter, uma manhã, em companhia do illustre commandante da força estadual, coronel Cypriano Ferreira, que solicitamente nos prestou informações sobre a construcção e seu destino.

Foi necessário nivelar o terreno, procedendo-se a regular desaterro.

Numa extremidade da área a desaterrar via-se uma muda viçosa de timbauva, oscillando ao sopro do vento brando.

O coronel Cypriano mandou poupar a arvore nova, recommendando que na estação propicia removessem-na para um lugar que está reservado ao cultivo de plantas florestaes, conforme noticiamos, há dias.

Depois de apreciarmos as obras, pedimos para ver a planta e colhemos os dados que se seguem.

Quartel do Deposito de Recrutas

Posto que assim designado, o quartel destina-se também a alojar uma secção de metralhadoras.

As dimensões são 80 metros de frente por 50 de fundo, com um vão livre de 9,5 metros e 4,5 de altura.

Terá quatro alojamentos para praças, as dependencias necessarias á administração, prisões correccionaes, escola regimental, refeitórios e depositos de armamentos e mais materiaes; será provido de exgottos, agua e luz.

O pateo interno será circumdado por um alpendre, permittindo o transito sob coberta enxuta.

A construçção foi contractada por 117:000$000, com o constructor João Cattani, por ter sido a sua proposta julgada a mais vantajosa das apresentadas em concurrencia publica.

Espera-se que as obras estejam concluídas no fim de um anno.

Deposito de Munição

Á direita do quartel descripto e no seu alinhamento fica uma edificação elegante, de pequenas dimensões, destinada ao deposito de munições.

Outras construcções

Na frente do actual quartel do deposito de recrutas, delle separado pela rua que divide o terreno da Chácara das Bananeiras, ficam outras construcções: uma casa para moradia, um deposito de vehiculos e um picadeiro.

O deposito de vehiculos é um edifício de paredes de taboas, coberto de zinco, medindo 21 metros de frente, por 11 de fundo.

Está dividido em duas partes desiguaes; por uma parede longitudinal, achando-se installadas na menor área as baias dos animaes de tracção.

Todas as baias são providas de agua encanada para os bebedouros, tendo estes dispositivos especiaes para o escoamento da água conspurcada pelos animaes.

As mangedouras são dotadas de adaptações que facilitam a distribuição da forragem e a limpeza.

O fechamento das baias é de um systema simples e seguro, adoptado em todos as cocheiras da Brigada.

A construcção foi feita administrativamente, com o pessoal das officinas, do que resultou sensível economia.

O picadeiro é uma construcção solida, toda de madeira, sendo as columnas fixadas em pilares de alvenaria por meio de fortes peças de ferro.

Em toda a frente há um balcão, de onde os espectadores podem assistir aos exercícios de equitação.

A cobertura é de telha de “eternit”.

Mede 26 metros de frente, 12 de fundo e 5 de altura

Ha um talude interior, em todo o perímetro, com 0 m 70 X 0 m 25, para proteger a pessoa que se exercita.

A ventilação é completa e o terreno perfeitamente secco.

Está sendo feito administrativamente, com o pessoal das oficinas, pois as duas propostas apresentadas foram consideradas muito onerosas.

O picadeiro destina-se ao exercicio de equitação de officiaes e praças.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXI, edição 052, de 04/03/1914, página 3 – *mantida a grafia da época

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Exercícios na Brigada Militar – Ajustes no planejamento.

A Federação, no dia 01 de fevereiro de 1917, quinta-feira, noticiava:

Exercícios na Brigada Militar

Emquanto concorrerem todos os corpos no serviço de guarnição não podendo entrarem em semana de exercícios, o tiro individual correspondente á 2ª Parte do 1º Período, será feito na machina Sub-target, instalada no Quartel de Infantaria.

Esses exercicios serão effectuados no 3º Tempo, e nos dias em que o corpo encontrar de guarnição, exceto no sabbado, pelo pessoal de folga e empregados, formando uma escola nunca superior a um pelotão.

O 2º Batalhão fará seu exercício nos dias destinados ao 3º Batalhão e a Escolta Presidencial nos que forem destinados ao 1º Batalhão.

O 3º Tempo dos sabbados fica reservado ao pessoal dos serviços auxillares e da força á disposição da Chefatura de Policia.

Para registro dos resultados dos exercicios os corpos organizarão cadernos.

O Grupo de Metralhadoras, pessoal da Linha de Tiro, Deposito de Recrutas e Picadeiro, farão exercícios no apparelho instalado no stand da Linha de Tiro.

Apparelho "Sub-Target", para instrucção de tiro sem gasto de munição.

Apparelho “Sub-Target”, para instrucção de tiro sem gasto de munição.

*Mantida a grafia da época.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXIV, edição 028, de 01/02/1917, quinta-feira, página 5