Posts

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Concorrência pública para construção de baias de madeira no quartel do Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar, em 1915

A Federação, no dia 30 de abril de 1915, sexta-feira, noticiava:

Brigada Militar do Estado

ASSISTENCIA DO MATERIAL

De ordem do sr. tenente-coronel commandante, chama-se concorrentes, com o praso de 15 dias, para construcção de 200 baias de madeira, no Quartel do Grupo de Metralhadoras, na Chacara das Bananeiras. O projecto das referidas baias bem como quaisquer informações serão prestadas nesta Assistencia todos os dias uteis, das 10 ás 15 horas.

Quartel do Commando Geral em Porto AlegrE, 29 de abril de 1915.

Leopoldo Ayres de Vasconcellos, Major Assistente

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXII, edição 098, de 30/04/1915, sexta-feira, página 2 – *mantida a grafia da época

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Comandante Geral da Brigada Militar visita quartéis, em 1915.

A Federação, no dia 18 de abril de 1915, domingo, noticiava:

Visita a quartéis e estabelecimentos – O Tenente-Coronel Affonso Emilio Massot, comandante geral interino da Brigada Militar, acompanhado do Major Leopoldo Ayres de Vasconcellos, Assistente do Material e Alferes Jorge Castiglioni, Ajudante de Ordens, visitou, hontem, o Posto Veterinário do Gravatahy e os quartéis do Grupo de Metralhadoras e Deposito de Recrutas da mesma milícia, trazendo dessa excursão optima impressão.

Fonte: A Federação, Anno XXXI, Edição 089, de 18/04/1915, domingo, página 5. *Mantida a grafia de época.

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – A Instrução na Brigada Militar, em 1915.

A Federação, no dia 17 de abril de 1915, sábado, noticiava:

Exercícios na Brigada Militar

1º período de Instrução – 4ª parte

– Dia 16, 6ª feira –

INFANTARIA

Batalhão na semana de exercícios: 2º batalhão de infantaria.

Deixou do ir à Linha de Tiro, devido ao máo tempo, realisando-se unicamente os trabalhos do 2º tempo – instrucção theorica e moral, assim se fazendo no 3º tempo.

Batalhões na guarnição: 1º batalhão.

1º tempo – prejudicado pelo serviço de guarnição.

2º tempo – instrucção theorica e moral nas companhias.

3º tempo – exercício de signaleiros.

O commandante do corpo reuniu os officiaes para uma palestra militar, versando sobre “fortificação rápida”.

3º Batalhão – Montou a guarnição.
1º tempo – Movimentos livres de gymnastica.

CAVALLARIA

Escolta Presidencial – Tiro individual na Linha do Tiro.

METRALHADORAS

O grupo de metralhadoras realisou os seguintes trabalhos:

1º tempo – gymnastica com arma a um braço, manejo de fogo (clarins) e marcha de 30 minutos.

2º tempo – Theoria do tiro: justeza, rapidez, posições, grupamentos; noções de organisação do Exercito e da Brigada Estadual.

3º tempo – Manejo da peça, remuniciamento, evoluções de secção e marcha de 60 minutos.

Trabalhos diversos

No corrente mez estão indicados para prelecções medicas nos corpos e unidades especiaes o capitão medico dr. Silva Fróes; para exercicios de padioleiros no 1º batalhão o dr. Antenor Granja de Abreu, no 2° batalhão o dr. Antonio da Silva Fróes e no 3º batalhão o dr. Raymundo Bello Barbedo, todos medicos da força; para prelecções sobre hygiene odontologica o alferes dentista dr. Mario Carigé Gomes da Silva e para prelecções veterinarias no grupo de metralhadoras e escolta presidencial o alferes veterinário Francisco Monte.

Instrucção de metralhadoras e guia para trabalhos de campanha.

– Aos corpos da Brigada Militar e especialmente ao grupo de metradoras da mesma milícia serão brevemente distribuídos exemplares impressos da “Instrucção para o serviço das metralhadoras “Colt”.”

– Acha-se no prélo o “Guia para trabalhos de campanha”, que tambem brevemente será distribuído.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXII, edição 088, de 17/04/1915, sábado, página 1 – *mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Visita do Presidente do Estado à Chácara das Bananeiras, em 1915.

A Federação, no dia 19 de março de 1915, sexta-feira, noticiava:

 Visita presidencial

Conforme havíamos noticiado, visitou hontem o Posto de Veterinaria e as diversas installações da Brigada Militar na Chácara das Bananeiras, arrabalde do Parthenon, o exmo. Sr. dr. presidente do Estado.

A’s dez e meia horas, tendo chegado á residencia de sua exa. o coronel dr. Cypriano da Costa Ferreira, acompanhado dos capitães Anatolio Baeckel, instructor chefe, Cândido Pinheiro de Barcellos, secretario e alferes Pellegrino Castiglioni, ajudante de ordens, dirigiu-se para o Posto de Veterinária, instalado no antigo quartel de cavallaria da Várzea do Gravatahy, levando mais em sua comitiva os drs. Protasio Alves, secretario do interior, Domingos Mascarenhas, deputado federal, Renato Costa, official do gabinete e o capitão Lourenço Galant, ajudante de ordens.

O percurso foi feito em automoveis, tendo sido occupados tres destes vehiculos.

A’s dez horas e trinta e cinco minutos chegavam os visitantes ao Posto de Veterinaria, sendo ahi recebidos pelo respectivo encarregado, alferes Francisco Monte.

Logo em seguida dirigiram-se para a ferraria do posto, que se achava funcionando, trabalhando quatro operarios na confecção de ferraduras.

Teve, então, o dr. presidente do Estado, occasião de ver o fabrico de algumas dessas peças, elogiando s. exa. a aptidão dos homens empregados nesse mistér pois a ferraria do Posto de Veterinária apronta até duzentas ferraduras por dia e isso com aproveitamento de ferro velho, proveniente de objectos inserviveis e das próprias ferraduras usadas.

Sahindo da ferraria dirigiu-se sua exa. para um dos pateos do Posto, onde poude observar alguns especimens de reproductores e éguas.

Entre outros foram apresentados o cavallo Indio, puro sangue inglez, pello tostado, de 18 a 20 annos de idade, adquirido em 1905; um mestiço, filho de Menelick, pelo vermelho, com 2 annos de idade; Menelick, puro sangue Orloff, pello, escuro, com 20 annos, animal de tracção; egua meio sangue, zaina, 3 annos, filha de Menelick; egua meio sangue bolognez, pelo picaço, 3 ½ annos, animal de tracção; bolognez ½ sangue, escuro, 3 annos, tracção; bolognez ½ sangue, tordilho, 3. Anos, tracção; reproduclor Remember, 15 annos, zaino.

Visitou sua exa. em seguida as baias do estabelecimento em numero de sessenta e quatro, passando dahi para um segundo pateo, onde estavam cerca de 50 cavallos, tratados á meia estabulação, parte creoulos, reforçados, gordos, e que muito bem impressionou.

Vistos estes animaes, encaminnaram-se todos para a grande mangueira do Posto, onde se achavam encerrados para mais de 250 cavallos do campo, de diversos, pellos e bella apparencia, apesar de não terem trato especial.

Num pequeno potreiro ao lado foram reunidas cerca de 140 eguas de 3 a 5 annos, ½ sangue, 110 já padreadas pelos jumentos e pelos cavallos reproductores, sendo estes em numero de dois e aquelles de tres.

Viram-se mulas e burros de 1ª, 5 mezes, tendo sido muito admirado um destes, pello zaino e avaliado já em um conto de réis.

Eram 11 e 20 minutos, quando se deu por terminada a visita, tendo sua exa. o dr. presidente, antes de sahir, felicitado o encarregado do Posto, alferes Francisco Monte, pela ordem que notou e pela boa impressão que teve de tudo quanto viu.

Deixando o Posto de Veterinária, tomaram os automoveis a direção da Linha de Tiro da Brigada, ahi chegando ás 12 horas.

Neste local foram os visitantes recebidos peto tenente-coronel dr. Assis Brazil, que se occupava em trabalhos de equitação, capitão commandante do Grupo de Metralhadoras, Augusto Januário Corrêa e respectiva oficialidade, capitão Jayme da Costa Pereira, director do Deposito de Recrutas com os officiaes seus auxiliares e o tenente instructor Cicero Perfeito Ferreira.

Desembarcando junto ao Picadeiro, instalação modelar no gênero, ahi estiveram, durante ½ hora, sua exa. o dr. presidente, respectiva comitiva e os demais officiais.

Durante este tempo, o dr. Assis Brazil prelecionou sobre os processos que emprega para o ensino da equitação, desde os exercícios gymnasticos no cavallo de pau até os mais difíceis, em movimento, com o proprio cavalo.

Visto o picadeiro, teve lugar a visita ao elegante e confortável quartel das metralhadoras, quase a concluir-se, tendo sido este edifício percorrido em todas as suas dependencias. No pateo interno do mesmo acha-se prompto e installado um systema competo do apparelhos de gymnastica, como existem nos demais quarteis da milicia.

Perto do quartel das metralhadoras, e já construído ha algum tempo, existe o Paiol de Munição, servindo lambem provisoriamente de parque daquellas armas.

Ahi estiveram os visitantes, tendo sua exa.o dr. presidente examinado todo o material neste local depositado, recebendo detalhadas informações a respeito dadas pelo coronel commandante geral, como sejam o fabrico de arreios e cargueiros apropriados para as metralhadoras, feitos nas officinas da Brigada, caixas de munição etc.

Ao deixar o paiol de munição foi sua exa. assistir á formatura a cavallo de uma secção do Grupo de Metralhadoras, comandada pelo alferes Paulino Leite, a qual, após algumas evoluções, retirou-se a quartel ás 13 horas e 10 minutos.

Convidado pelo comandante geral coronel Cypriano Ferreira, sua exa. e respectiva comitiva tomaram o caminho que conduz ao Stand de tiro, em cuja sala de honra se detiveram em rapida palestra, dirigindo-se todos, momentos depois, para o salão ondo se achava posta uma mesa para um lauto almoço.

Este terminou ás 15 ½ horas, sendo ao champagne brindado por sua exa. o dr. presidente do Estado, o coronel commandante geral da Brigada, dr. Cypriano da Costa Ferreira. Neste brinde disse sua exa. que, visitando o local da Linha de Tiro da Brigada, o fazia não só para observar os novos melhoramentos, ahi introduzidos, mas tambem e muito particularmente para trazer ao coronel Cypriano com bastante significação o seu abraço de despedida, além do que iria levar-lhe por occasião da partida; que os serviços inestimáveis prestados pelo coronel Cypriano, tanto na guerra como nos labores da paz constructora, á Brigada e ao Estado o tornavam credor da alta consideração dos poderes publicos e da sua particular, pois contava esse digno militar entre o numero de seus melhores amigos: que o nome do coronel Cypriano estava ligado ao facto da Republica e que, vendo-se privado do seu leal e fecundo concurso, tinha a certeza, entretanto, de que o Governo
Federal, chamando-o para o desempenho da alta funcção de chefe do Estado Maior da 3ª divisão, saberia avaliar o mérito do illustre militar que é um ornamento de sua classe.

Levantava sua taça em honra do coronel Cypriano.

Em resposta disse este sentir-se justamente, desvanecido por saber terem, sido bem apreciados os serviços que com dedicação e lealdade prestou á Brigada Militar e, portanto, ao Rio Grande, sua querida terra natal.

E mais desvanecido ainda quando via partir da mais alta auctoridade, do Estado conceitos tão elevados á sua humilde pessoa.

Ao dr. Borges de Medeiros, emérito presidente do Estado, glorioso chefe do partido republicano, querido e acatado, agradecia tão elogiosas referencias, levantando também a taça em sua honra.

A’s 16 horas, após ter-se servido café, teve lugar um ligeiro exercício de fogo de uma secção de metralhadoras, batendo-se alvos até 500 metros, fazendo-se diversas especies de tiro, principalmente o ceifante vertical.

Terminado este exercício com geral agrado de todos, dirigiram-se sua exa. o dr. presidente, o coronel Cypriano, o dr. Mascarenhas e os demais membros da comitiva e oficiais presentes para a represa do Arroio Ferradura, distante do stand mais ou menos 2 kilometros, tendo sido feito o trajecto, parte em automoveis e parte a cavallo. Durante este percurso poude ser observada a optima estrada de rodagem que, por conta da Brigada, está sendo construída, vendo-se já promptos trabalhos numa extensão de 1.000 metros.

Esta construcção está sendo dirigida pelo capitão Figueiró, oficial reformado da milícia.

A’s 17 horas chegaram os visitantes á referida represa, destinada á fornecer a todos os edificios da Linha de Tiro agua boa o em abundância, a qual é levada a uma caixa installada aquém do morro abaixo de cuja vertente opposta corre o Ferradura.

Junto da represa acha-se a casa das machinas que fazem funcionar a bomba destinada áquelle fim.

Ainda sobre o Ferradura, no ponto em que passará a estrada em construcção, acha-se quasi concluído um bello pontilhão, feito pelo official que dirige os trabalhos da mesma estrada.

Deixando a represa seguiram todos a percorrer os extensos campos dobrados, cobertos aqui e ali de bosques, alguns com arvores de madeira de lei, passando assim por quatro casas de posteiros, que tantos são os que ahi existem, bem cuidadas e confortáveis.

A’s 7 ½ horas chegaram os excursionistas ao açude feito no alto de um morro e uns 200 metros de altitude, podendo dahi descortinar bellissimos panoramas em todas as direcções.

A’s 18 ¼  horas, após quase duas leguas de cavalgada, chegaram todos ao ponto em que se achavam os automoveis, parte terminal da estrada prompta, seguindo dahi novamente para o stand do tiro, onde foram servidos café e licor.

No livro dos visitantes ficou consignado o seguinte: “18 de março de 1915 – Visita em despedida ao illustrissimo coronel Cypriario da Costa Ferreira, que parte para a Capital
Federal, onde vae assumir a chefia do Estado Maior do Quartel General da 3ª Divisão.

(Assignados) Borges do Medeiros, Protasio Alves, tenente-coronel Assis Brazil, dr. Domingos Mascarenhas, dr. Renato Costa, official de gabinete”.

Eram 19 horas quando sua exa. o dr. presidente e os que o acompanharam, deixaram a Chacara das Bananeiras, chegando à cidade ás 19 horas e 25 minutos.

Fonte: A Federação, Anno XXXII, Edição 063, de 19/03/1915, sexta-feira, página 1 * Mantida a grafia da época.

 

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Do Boletim da Brigada Militar, de 13 de março de 1916

A Federação, no dia 13 de março de 1916, segunda-feira, noticiava:

Do boletim de hoje, da Brigada Militar:

– Para o conselho militar a que tem de responder, por crime de deserção, o soldado do 1º Regimento de Cavallaria Fulano de Tal**, são nomeados: presidente, o tenente-coronel Francelino Rodrigues Cordeiro; interrogante o capitão João da Cruz; auditor, o capitão dr. José Gomes Ferreira; juízes os tenentes Americo Monteiro Da Costa e alferes Luiz Gonçalves de Lima.

– O capitão director da Linha de Tiro remetteu á secretaria do commando geral o mappa do exercicio de tiro realizado no dia 8 do corrente, pelo pessoal da Secção de Amanuenses e do Grupo de Metralhadoras.

Neste exercício, o pessoal da Secção de Amanuenses deu 65 tiros, acertou 32, com 49,23% e o do Grupo de Metralhadoras deu 270 tiros, acertou 113 3 obteve 42,96% de impactos.

– Os exames práticos começam a 15 do corrente para os inferiores e a 20 pata os officiaes.

A comissão examinadora fica constituída do tenente-coronel comandante geral interino, tenente-coronel Aristides da Camara e Sá, major Gregorio Portuguez e tenentes instructores Jayme da Costa Pereira e João de Deus Canabarro Cunha e a dos officiaes, do tenente-coronel comandante geral, tenentes-coronéis Fracellino Cordeiro e Claudino Nunes Pereira e tenentes instructores Anatolio Baeckel e Emilio Lucio Esteves.

– Em officio n.44, de 11 do corrente, o capitão Mirandolino Machado comunicou que fez entrega, a 10, também do corrente, da direção da Linha de Tiro, Deposito de Recrutas e Picadeiro, ao capitão José Rodrigues Sobral e, este, em officio n. 1, daquela data, participou ter assumido aquelle cargo, encontrando certa e em boa ordem a carga respectiva.

– O capitão directos da Linha de Tiro remeteu á secretaria do commando geral o mappa do exercício de tiro realizado no dia 8 do corrente, pelo pessoal do Deposito de Recrutas.

Neste exercício foram dados 90 tiros, acertando 51, com 56,66% de impactos.

– O cirurgião dentista da Brigada, antes de terminar o 1º período do programma de instrucção, fará nos corpos, prelecções versando sobre “Hygiene da Bocca”, de acordo com o programma de instrucção em vigor.

Fonte: A Federação, Anno XXXIII, Edição 060, de 13/03/1916, segunda-feira, pág. 5 * Mantida a grafia da época

**Nome omitido

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Ordem do Dia nº 22, de 12 de março de 1915 – Nomeações – Promoções – Transferências.

A Federação, no dia 13 de março de 1915, sábado, noticiava:

 BRIGADA MILITAR

Publicamos a seguir a Ordem do Dia n. 22, de hontem datada, do Commando Geral da Brigada Militar, sobre diversas nomeações, promoções e transferências:

“Quartel do Commando Geral da Brigada Militar, em Porto Alegre, 12 de março de 1915.

ORDEM DO DIA N. 22

Para conhecimento e devida execução, publico o seguinte:

Assistente do Pessoal – Conforme solicitou, é, nesta data, dispensado do cargo de Assistente do Pessoal o major Armando de Moraes Silveira, que passa a servir addido ao 3º Batalhão de Infantaria.

Para substituil-o nas funcções do referido cargo, nomeio effectivamente o major Juvenal Joaquim Teixeira, que é incluído no estado-maior da Brigada.

Assistencia do Material – Nomeio para exercer effectivamente o cargo de Assistente do Material o major do 3º Batalhão de Infantaria, Leopoldo Ayres de Vasconcellos, que é, nesta data, incluído no estado-maior da Brigada, revertendo ás respectivas funções o capitão adjunto, José João Beckhausen.

Linha de Tiro e Deposito de Recrutas – É, nesta data, dispensado, a pedido, do logar de Director da Linha de Tiro e Deposito de Recrutas, o tenente instructor Cicero Perfeito Ferreira e nomeado para substituil-o o capitão instructor Jayme da Costa Pereira.

Louvor – Dispensando hoje do cargo de Assistente do Pessoal, a pedido, o majorArmando de Moraes Silveira, é-me grato louval-o pela inteligência, zelo e lealdade com que se houve durante o tempo que exerceu o mesmo cargo, mais de três anos, tornando-se credor da minha particular estima.

Louvo também o tenente instructor Cicero Perfeito Ferreira, que também hoje deixa o logar de diretor da Linha de Tiro e deposito de Recrutas, pelo zelo, competência e solicitude com que desempenhou aquella função, desde setembro de 1911.

Communicação – O capitão Augusto Januario Correa, comunicou em officio n. 1, de 10 do corrente, ter assumido o comando do Grupo de Metralhadoras.

Promoções – Do 2º sargento da Secção de Amanuenses, Milton Torres, ao posto de 1º sargento, para a mesma secção; dos 2º sargentos instructores Manoel Toledo da Silva e João Manoel Cardoso, aos postos de 1º sargentos instructores; do soldado do 3º Batalhão de Infantaria Abelardo Castanho, ao posto de cabo instructor, e do cabo da secção de amanuenses Fernando de Carvalho Cotta, ao posto de 2º sargento, para a mesma secção.

Transferências – Do 1º sargento instructor Salvador Rodrigues da Silva e 2º dito Luiz Gomes da Silva, para o 3º Batalhão de Infantaria e aquelle do 1º Regimento de Cavalaria, para a secção de conductores.

(Assignado) Cyprianoda Costa Ferreira, coronel.”

 

Fonte: A Federação, Anno XXXII, Edição 059, de 13/03/1915, sábado, pág. 5. * Mantida a grafia da época.

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar – Criação e Organização – 1915

A Federação, no dia 10 de março de 1915, quarta-feira, noticiava:

Grupo de Metralhadoras

Pelo decreto n. 2.105, de 16 de novembro do anno passado, publicado pela nossa folha a 19 do mesmo mez, o dr. Borges de Medeiros, illustre presidente do Estado, creou  um Grupo de Metralhadoras na Brigada Militar, com a organização do quadro annexo ao citado decreto n. 2.105 e também publicado pela “Federação”.

Por acto de 6 do corrente o grupo de metralhadoras ficou organisado, de accordo com o decreto de novembro, que o creou, tendo o dr. presidente do Estado feito as nomeações do respectivo pessoal, publicadas na ordem do dia n. 19, de 8 deste mez, do commando geral da Brigada Militar, que hontem reproduzimos integralmente.

 

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXII, edição 056, de 10/03/1915, quarta-feira, página 5 – *mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Grupo de Metralhadoras – nomeações para os cargos, em 1915

A Federação, no dia 09 de março de 1915, terça-feira, noticiava:

BRIGADA MILITAR

Promoções. Grupo de Metralhadoras

Ordem do dia do Commando Geral

Publicamos a seguir a ordem do dia n. 19, do comando geral da Brigada Militar do Estado:

Quartel do Commando Geral da Brigada Militar em Porto Alegre, 8 de março de 1915.

Ordem do dia n. 19

Para conhecimento e devida execução, publico o seguinte:

PROMOÇÕES

Por titulos de 6 do corrente foram promovidos a tenentes os alferes do 1º batalhão de infantaria Firmino Rodrigues Bueno e Felisbino Alves da Luz e do 1º regimento de cavalaria, Cassiano Vasques; a alferes o sargento quartel-mestre do 3º batalhão Manoel Octacilio de Freitas Ramos, 1º sargento instructor Honório José Telles, 1º sargento amanuense Orlando Guimarães, 2ºs sargentos amanuenses Arthur de Vilhena Oliveira e Isolino Ferreira de Castro, 2º sargento do 1º regimento Paulino Leite Sobrinho, 2º sargento conductor Timotheo Maciel dos Santos e 2º sargento instructor Eugenio Henrique Krum.

GRUPO DE METRALHADORAS

De accordo com o decreto n. 2.105, de 16 do novembro de 1914, publicado na ordem do dia do comando geral, n. 532, de 23 do mesmo mez, fica organizado o Grupo de Metralhadoras com o pessoal abaixo especificado:

Capitão comandante – o capitão do 1º batalhão de infantaria Augusto Januário Corrêa.

1ª secção

Commandante – alferes Honório José Telles.

2º sargento auxiliar, o cabo amannauense Remo Seggiaro, cabos chefes de peça, soldados do 1º regimento Leoncio Rodrigues Vasques e sem corpo designado Antonio Antunes.

2ª secção

Commandanle – alferes Orlando Guimarães.

2º sargento auxiliar, o 2º sargento do 3º batalhão Antônio Ferreira da Costa, cabos chefes de peça, soldados sem corpo designado Zacharias de Paula e soldado do 1º regimento Laurentino de Oliveira.

3ª secção
Commandante – alferes Timotheo Maciel dos Santos.

2º sargento auxiliar, 2º sargento amanuense Francisco de Paula Vieira da Costa, cabos chefes de peça, soldado sem corpo designado José Luiz Primeiro, e soldado do 1º regimento Alfredo Franklin de Oliveira.

4ª secção
Commandante – alferes Eugênio Henrique Brum

2o sargento auxiliar, cabo amanuense Antonio Fagundes Teixeira, cabos chefes de peça, o soldado do 1º regimento Oswaldo Rezende e cabo instructor Izidoro de Jesus.

5ª secção

Commandante – alferes Paulino Leite Sobrinho.

2º sargento auxiliar, o 2º sargento do 1º batalhSo Waldemar Gomes de Almada Leite, cabos chefes de peças, cabo do 1º batalhão Vasco Antonio de Souza e soldado do 3º Oscar da Silva Meira.

Sargento Ajudante – o 1º sargento amanauense Affonso Gonçalves Gomide.

Sargento quartel-mestre – o 1º sargento do 3º batalhão, Antonio Dias de Oliveira.

Amanauense – 2º sargento do 2º regimento, José Dias

Cabo artífice – soldado Cesario Stechs de Lima.

Clarins – soldados sem corpo designado: Francisco Campos do Nascimento, Januário Machado, João José dos Reis, Isidro Vieira Filho, João Alcides de Andrade, Prudencio Floriano, Florisbello Alves de Oliveira, Secundino Moreira, João Candido Maria, Dorvalino Manoel Soares, José Emilio de Oliveira.

Serventes – soldados sem corpo designado: Manoel Ferreira, Perpilino Antunes, Emilio Cardoso, João Gomes da Silva, Emiliano Rosa, Fidencio José Machado, Ataliba Antunes, Aleixo José Ferreira, João Lucio da Silva, Manoel dos Santos Segundo, Joaquim Rodrigues do Amaral. Do 1º batalhão de infantaria: José Pedro de Souza, Juvenal de Souza Oliveira. Do 2º batalhão de infantaria: José Moraes da Fonseca, Antenor Pinto de Britto.

O capitão commandante indicará, do accôrdo com a ordem do dia n. 532, de 23 de novembro de 1914, as praças que deverão, preencher os logares de graduação vagos, e receberá do Diretor da Linha de Tiro e Deposito de Recrutas todas as metralhadoras e pertences, bem como todo o material ali existente, destinado ao Grupo.

Adjuncto do assistente do material

Continuará no exercicio desse cargo o capitão Augusto Januário Corrêa, até ser designado o oficial que deverá substituil-o.

CLASSIFICAÇÕES
Do tenente Cassiano Vasques no 2º regimento de cavallaria, do tenente Fírmino Rodrigues Bueno e alferes Isolino Ferreira de Castro no 1º batalhão de infantaria e do tenente Felisbino Alves da Luz e alferes Manoel Octacilio de Freitas Ramos e Arthur de Vilhena Oliveira no 3° batalhão de infantaria.

PROMOÇÕES
Promovo, nesta data, a 1º sargento amanauense o segundo dito Theodoro Nunes Pontes, que deve continuar servindo nas officinas, a 2ºs sargentos amanuenses o furriel do 3º batalhão Manoel Fernandes Barbosa e cabos amanaunenses José Fialho da Motta, José Maria Eggres, a segundos sargentos conductores os cabos do 1º regimento Horacio de Souza Leal e Roberto Pereira Porto.

TRANSFERENCIAS

Do alferes Diogenes Braziliense Pinheiro do 3o batalhão de infantaria para o 1º regimento de cavallaria, e do 2º sargento conductor Roberto Pereira Forte e 2º sargento amanuense Manuel Fernandes Barbosa para o 3º batalhão de infantaria.

(Assignado) Cypriano da Costa Ferreira, coronel.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXII, edição 055, de 09/03/1915, terça-feira, página 2 – *mantida a grafia da época

 

 

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar – 2º aniversário de organização, em 1917

Correio do Povo, no dia 8 de março de 1917, quinta-feira, noticiava:

Grupo de Metralhadoras

O Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar, commemora hoje a passagem do 2º anniversario da sua organisação. Por esse motivo, realisar-se-á no quartel do Grupo, uma festa para a qual já foi organisado um programma, que constará de números da gymnastica militar, esgrima de espada e de bayoneta, assaltos e canções que serão entoadas pelas praças. À noite haverá exhibições de cinematographo e outos divertimentos. O tenente-coronel Affonso Emilio Massot, comandante geral da Brigada, comparecerá á festa acompanhado do seu estado-maior.

Fonte: Jornal Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo”

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Organização do Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar, em 1915

A Federação, no dia 04 de março de 1915, noticiava:

Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar

Já se acha em via de organização o Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar, creado por decreto do Governo do Estado de 16 de novembro do anno findo.

A instrucção do pessoal praça de pret, inferiores e soldados, atingiu á escala de secção, tendo sido ministrada a instrucção individual com a maxima minuciosidade.

Foi verificado o maior desembaraço no manejo dos telemetros, tendo sido feita a pratica do processo do millesimo com brilhante resultado.

O manejo de fogo e o fogo tem sido muito satisfactorios, havendo alvos batidos com muita justeza a 1.300 metros e aquem em outras distancias, avaliadas no momento.

Organisado o grupo, o que breve se dará, contará elle desde logo com pessoal apto e dextro no serviço da metralhadora Colt, cuja simplicidade muito concorreu para a rapidez com que foi ministrada a instrucção.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXII, edição 051, de 04/03/1915, página 5 – *mantida a grafia da época