Posts

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Novos uniformes da Brigada Militar, em 1909

Correio do Povo, no dia 15 de maio de 1909 noticiava:

EXPOSIÇÃO AGRO-PECUARIA

Além da guarda de honra do Tiro Brazileiro, formará, por occasião da Exposição Agro Pecuaria, a 24 do corrente, o piquete do presidente do Estado e uma companhia do 1º batalhão da Brigada Militar. Essas forças trajarão o novo uniforme da Brigada. …

Fonte: Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo”. *Mantida a grafia da época

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – A Instrução na Brigada Militar, em 1915.

A Federação, no dia 17 de abril de 1915, sábado, noticiava:

Exercícios na Brigada Militar

1º período de Instrução – 4ª parte

– Dia 16, 6ª feira –

INFANTARIA

Batalhão na semana de exercícios: 2º batalhão de infantaria.

Deixou do ir à Linha de Tiro, devido ao máo tempo, realisando-se unicamente os trabalhos do 2º tempo – instrucção theorica e moral, assim se fazendo no 3º tempo.

Batalhões na guarnição: 1º batalhão.

1º tempo – prejudicado pelo serviço de guarnição.

2º tempo – instrucção theorica e moral nas companhias.

3º tempo – exercício de signaleiros.

O commandante do corpo reuniu os officiaes para uma palestra militar, versando sobre “fortificação rápida”.

3º Batalhão – Montou a guarnição.
1º tempo – Movimentos livres de gymnastica.

CAVALLARIA

Escolta Presidencial – Tiro individual na Linha do Tiro.

METRALHADORAS

O grupo de metralhadoras realisou os seguintes trabalhos:

1º tempo – gymnastica com arma a um braço, manejo de fogo (clarins) e marcha de 30 minutos.

2º tempo – Theoria do tiro: justeza, rapidez, posições, grupamentos; noções de organisação do Exercito e da Brigada Estadual.

3º tempo – Manejo da peça, remuniciamento, evoluções de secção e marcha de 60 minutos.

Trabalhos diversos

No corrente mez estão indicados para prelecções medicas nos corpos e unidades especiaes o capitão medico dr. Silva Fróes; para exercicios de padioleiros no 1º batalhão o dr. Antenor Granja de Abreu, no 2° batalhão o dr. Antonio da Silva Fróes e no 3º batalhão o dr. Raymundo Bello Barbedo, todos medicos da força; para prelecções sobre hygiene odontologica o alferes dentista dr. Mario Carigé Gomes da Silva e para prelecções veterinarias no grupo de metralhadoras e escolta presidencial o alferes veterinário Francisco Monte.

Instrucção de metralhadoras e guia para trabalhos de campanha.

– Aos corpos da Brigada Militar e especialmente ao grupo de metradoras da mesma milícia serão brevemente distribuídos exemplares impressos da “Instrucção para o serviço das metralhadoras “Colt”.”

– Acha-se no prélo o “Guia para trabalhos de campanha”, que tambem brevemente será distribuído.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXII, edição 088, de 17/04/1915, sábado, página 1 – *mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Brigada Militar realiza instrução de tiro coletivo, em 1914.

A Federação, no dia 27 de março de 1914, sexta-feira, noticiava:

Tiro collectivo do 1º período, na Brigada Militar

Os batalhões da Brigada que concorrerão ao tiro collectivo na proxima semana deverão entrar em prova na seguinte ordem:

2º batalhão — segunda-feira
1º batalhão — terça-feira
3º batalhão — quarta-feira.

A Escolta Presidencial fará um tiro collectivo de ensaio quinta ou sexta-feira.

Fonte: A Federação, Anno XXXI, Edição 072, de 27/03/1914, sexta-feira, página 1. *Mantida a grafia da época

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – A logística, em 1917.

A Federação, no dia 02 de fevereiro de 1917, sexta-feira, noticiava:

Assistencia do Material da Brigada Militar

– O capitão Arlindo Franklin Barbosa, assistente do material da Brigada Militar, recebeu, hoje, no Thesouro do Estado a quantia de 12:356$666 para pagamento dos vencimentos dos officiaes do Estado-Maior, e 1:800$000 idem dos da Escolta Presidencial relativos ao mez findo.

– Convenientemente concertados nas officinas da Brigada, foram entregues: ao Deposito de Recrutas, 2 carroças de 4 rodas; ao Posto de Veterinaria, 1 dita; ao 3º Batalhão de Infantaria, 6 carabinas Mauzer e 1 carrinho de 2 rodas.

– O alferes commandante do destacamento do 2º Batalhão de Infantaria, no povoado do Picão, em Rocca Salles, communicou que recebeu, por intermedio da casa comercial dos srs. Fava & Toqui, a quantia de 2:329$300, liquido dos seus vencimemos e das praças do mesmo destacamento relativos ao mez de dezembro findo, de sua gratificação e das ditas praças relativa ao mez de novembro findo, tendo feito os respectivos pagamentos, sem novidade.

*Mantida a grafia da época.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXIV, edição 029, de 02/02/1917, sexta-feira, página 4

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Exercícios na Brigada Militar – Ajustes no planejamento.

A Federação, no dia 01 de fevereiro de 1917, quinta-feira, noticiava:

Exercícios na Brigada Militar

Emquanto concorrerem todos os corpos no serviço de guarnição não podendo entrarem em semana de exercícios, o tiro individual correspondente á 2ª Parte do 1º Período, será feito na machina Sub-target, instalada no Quartel de Infantaria.

Esses exercicios serão effectuados no 3º Tempo, e nos dias em que o corpo encontrar de guarnição, exceto no sabbado, pelo pessoal de folga e empregados, formando uma escola nunca superior a um pelotão.

O 2º Batalhão fará seu exercício nos dias destinados ao 3º Batalhão e a Escolta Presidencial nos que forem destinados ao 1º Batalhão.

O 3º Tempo dos sabbados fica reservado ao pessoal dos serviços auxillares e da força á disposição da Chefatura de Policia.

Para registro dos resultados dos exercicios os corpos organizarão cadernos.

O Grupo de Metralhadoras, pessoal da Linha de Tiro, Deposito de Recrutas e Picadeiro, farão exercícios no apparelho instalado no stand da Linha de Tiro.

Apparelho "Sub-Target", para instrucção de tiro sem gasto de munição.

Apparelho “Sub-Target”, para instrucção de tiro sem gasto de munição.

*Mantida a grafia da época.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXIV, edição 028, de 01/02/1917, quinta-feira, página 5

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Escolta Presidencial – 1ª aniversário de criação – festejos.

A Federação, no dia 26 de janeiro de 1917, sexta-feira, noticiava:

Escolta Presidencial

Os festejos do 1º anniversario da sua organização

Com máximo brilhantismo, realizaram-se, hontem, os festejos do anniversario dessa disciplinada unidade da Brigada Militar do Estado, intelligentemente commandada pelo nosso amigo capitão Lourenço Galant.

A’s tres horas da tarde, presentes o coronel Massot, commandante da Brigada, seu estado-maior, commissões do todos os corpos, pessoas gradas e um nosso representante, inaugurou o capitão Galant os retratos do general Salvador Pinheiro Machado, vice-presidente do Estado e do coronel Massot, na sala de honra dessa corporação, sendo ao decerrarem-se as cortinas que os occultavam, tocado o hymno Rio Grandense, ouvido de pé pelos presentes.

Em seguida, no pateo do quartel, onde se achavam formados, usando do seu novo uniforme de agradável aspecto, as praças cantaram os hymnos da Republica, Rio Grandense, e diversas canções e marchas patrioticas e que sob a batuta do maestro alferes Pedro Borges, conduziram-se do modo mais satisfactorio possivel, sendo muito applaudidos.

Em seguida, foram os presentes convidados a passarem para o picadeiro, onde deveriam realizar-se diversas proesas de equitação, as quaes agradaram bastante, especialmente o assalto de dois cavaleiros, de espada contra um cavalleiro de lança, em que foi vencedor o cabo lanceiro Antonio Vaz Pimentel, que mostrou-se digno da arma que empunhava, a qual maneja com excelente maestria e firmeza.

Referencias elogiosas também mereceu o sargento Saturnino CavaIheiro Ramos, que num assalto espada (a cavallo), conduziu-se de modo irreprehensivel, vencendo o seu contendor com a maxima facilidade.

Houve tambem um assalto de espada (a pé) em que sahio vencedor o soldado Avelino Figueiredo.

Foram apresentadas diversas escolas de esgrima de espada, equitação e gymnastica, respectivamente, sob o com mando dos 2ºs sargentos Saturnino Ramos, Juvenal Pereira e sargento-ajudante Cassiano Martins, que, por terem apresentado conjunctos verdadeiramente uniformes e intelligentemente instruídos collocou os presentcs na difficuldade de não poderem destacar qual o melhor. Conduziram-se todos com correcção e disciplina, correspondendo, desse modo, aos esforços do seu provecto commandante, capitão Galant, que assim viu coroado de franco exito o seu trabalho árduo e fatigante, na nobre e proveitosa missão de instruir soldados.

Seguiram-se os pareos de natação, pela primeira vez effectuados, nesta capital, por forças militares, e que muitas vantagens trazem á educação physica do soldado, especialmente do soldado montado, e que foram vencidos em distancias de 180 e 150 metros, por inferiores e praças da escolta.

Desses pareos, que eram em numero de tres, foram vencedores:

Do 1º: em primeiro logar o sargento Saturnino Cavalheiro Ramos e em 2º o sargento ajudante Cassiano Martins.

Do 2º: em primeiro logar o cabo Nascimento Correa de Hollanda e em 2º o soldado Bolivar Farrapo Leiria.

Do 3º: em primeiro logar o soldado João Manoel Cezar e em 2º o soldado Alfredo Diniz.

Terminadas essas diversas partes do programma, que funda e agradavelmente impressionaram os que tiveram o prazer de assistil-as, foi pelo commandante Galant offerecido aos presentes delicada mesa de doces e líquidos, tendo se trocado diversas saudações.

Ás muitas felicitações recebidas pelo nosso amigo capitão Galant, pelo brilhante modo porque commemorou o anniversario da organização da Escolta Presidencial, ajuntamos as nossas.

Publicamos a seguir o discurso da inauguração dos retratos, proferido pelo capitão Galant, e a ordem do dia, sob n. 21, por elle baixada.

“Commemorando hoje mais um anniversario da organisação da Escolta Presidencial, resolvi inaugurar neste gabinete de trabalho os retratos do exmo. sr. general Salvador Ayres Pinheiro Machado, vice-presidente do Estado, e do sr. tenente-coronel Affonso Emilio Masso, commandante geral da Brigada.
Tem rasão plausivel a inauguração dos retratos dessas duas autoridades..

O primeiro, quer no cargo de vice-presidente do Estado, em exercicio, no impedimento do benemerito dr. Borges do Medeiros, quer como commandante geral da Brigada, tratou com carinho o desvelo a força publica do Rio Grande, procurando melhorar, cada vez mais, as suas condições.

O segundo, tenente-coronel Massot, tem serviços relevantes ao Estado, prestados na Brigada e no alto cargo de commandante geral, mais se tem revelado o carinho que elle dispensa ás unidades que compõem esta gloriosa força republicana.

Talvez que esta minha homenagem, expressão sincera do meu sentir, melindro a modéstia dos homenageados; mas essas demonstrações de respeito e gratidão são muito necessárias para servirem de exemplo ás gerações vindouras.

Penso haver cumprido o meu dever com este acto de inteira justiça.”

Quartel do Commando da Escolta Presidencial, em Porto Alegre, 25 de janeiro de 1917.

Ordem do dia n. 21.

Para conhecimento e devida execução, publico o seguinte:

Commemoração.

Camaradas! Passando, hoje, mais um anniversario da organização desta Escolta que é um dos elementos componentes da Brigada Militar do Estado, regosijo-me comvosco por este facto de tanta significação para nós. Unidade destinada á guarda presidencial, tem sabido ella, até hoje, desempenhar cabalmente a funcção que lhe compete. E assim mais uma vez aproveito a opportunidade para reiterar os conselhos quo vos tenho dado no sentido de vos conduzirdes sempre dentro dos limites do cumprimento do dever.

Liberdade. Em commemoração á data de hoje dou liberdade á todas as praças desta unidade, que se acham cumprindo castigo correccional. (Assignado) –  Lourenço Galant, capitão.

*Mantida a grafia da época.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXIV, edição 023, de 26/01/1917, sexta-feira, página 3

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Festividades alusivas ao aniversário de criação da Escolta Presidencial.

A Federação, no dia 24 de janeiro de 1917, quarta-feira, noticiava:

Festa na Escolta Presidencial – Amanhã, no quartel da Escolta Presidencial, realizar-se-á uma brilhante festa commemorativa do aniversário da organização dessa unidade da Brigada Militar, devendo ser observado o seguinte programma:

1ª parte – Hymnos e canções patrioticas.

2ª parte – Inauguração dos retratos do exmo. sr. general vice-presidente do Estado, Salvador A. Pinheiro Machado e tenente-coronel Affonso Emilio Massot, dd. commandante geral da Brigada.

3ª parte – Escola de equitação em homenagem ao exmo. sr. dr. presidente do Estado.

4ª parte – Assalto de um lanceiro contra dois cavalleiros de espada, dedicado ao exmo. sr. general vice-presidente do Estado.

5ª parte – Assalto de espada a cavallo, entre dois inferiores, dedicado ao sr. tenente-coronel Affonso Emilio Massot.

6ª parte – Assalto de espada, a pé, entre duas praças, dedicado aos srs. Comandantes Juvencio Lemos, Claudino Nunes Pereira e Leopoldo A. Vasconcellos.

7ª parte – Escola de esgrima de espada, dedicada ao coronel Cypriano da Costa Ferreira.

8ª parte – Escola de gymnastica, dedicada aos srs. Comandantes Francelino Cordeiro, Aristides da Câmara e Sá e Amadeu Massot.

9a parte – 1º pareo de natação, entre inferiores, em 150 metros, dedicado aos srs. officiaes instructores da Brigada.

10ª parte – 2º pareo de natação, entre praças, em 150 metros, dedicado aos capitães commandantes do Grupo de Metralhadoras, diretor do Deposito de Recrutas e dr. Chefe do Serviço Sanitario.

11ª parte – 3º pareo de natação, entre praças, em 150 metros, dedicado aos srs. Capitães Assistentes João Cândido Machado e Arlindo Franklin Barbosa.

A festa começará ás 15 horas.

*Mantida a grafia da época.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXIV, edição 021, de 24/01/1917, quarta-feira, página 4

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Inclusão de Praças.

A Federação, no dia 11 de janeiro de 1917, quinta-feira, noticiava:

Inclusão de praças

Passaram a prompto hontem, da instrucção de cavallaria que vinham recebendo, no Deposito de Recrutas, sendo incluidos nas unidades abaixo, os seguintes soldados recrutas: na Escolta Presidencial: Galvão Rodrigues Machado, Bolívar Farrapo Leiria, Secundino Pereira da Costa e Claudionor Salles; no 1º Regimento de Cavallaria, Theodolino Mendonça da Silva, Anastacio Xavier Maciel, Eugênio Ribeiro, João Silveira Martins, Aristides Pedro dos Santos, João José Ribeiro Filho, Cassemiro Alves da Costa e Demetrio Witt.

As praças incluidas no 1º Regimento de Cavallaria ficarão addidas, provisoriamente, ao Grupo de Metralhadoras.

*Mantida a grafia da época.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXIV, edição 010, de 11/01/1917, quinta-feira, página 2

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – A Instrução na Brigada Militar.

A Federação, no dia 01 de janeiro de 1917, segunda-feira, noticiava:

Brigada Militar – Tiro e revistas

Em meiados de 1912, já após algumas transformações conducentes á modernisação da materia e dos processos de ensino contidos nos regulamentos de instrucção adoptados na Brigada Militar do Estado, a título de experiencia foi esta com todas as suas unidades submetida a um programma systematico e único, abrangendo todos os ramos dos trabalhos militares da tropa, distribuídos methodicamente por quatro períodos, de modo a que os exercícios ou aprendizagem destes se tornassem completos, resultando uns dos outros, até encerramento do semestre de instrucção.

Constatada ficou a exiguidade do tempo para tarefa tão ampla, dadas as circumstancias das exigências funccionaes da força, e o programma experimentado, depois de ampliado, corrigido e remodelado, instituiu  para o anno seguinte, cinco periodos de aprendizagem e trabalhos, e d’ahi para cá, dentro d’elle, salvo correcções interpretativas, tem-se produzido este movimento continuo de progresso na acquisição dos conhecimentos militares, não só práticos como theoricos, tanto por parte do pessoal dos quadros como do que nelles se acham enquadrados, podendo-se afirmar com um grande consolo patriotico que a Brigada Militar do Rio Grande do Sul, em conjuncto, não desmerecerá, emparelhando com as unidades do nosso glorioso Exercito Nacional.

Deixando do lado outras considerações, no caso cabíveis, um dos ramos da instrucção que para logo determinou a ampliação do tempo desta, foi o tiro preocupação capital no preparo geral da tropa.

E de tal modo foi atacada esta parte do ensino, e com tanto cuidado e carinho, que, sem medo de errar, pode-se dizer que não existe na milicia rio-grandense um único soldado que não seja atirador prompto para campanha.

É dos melhores reservistas do Brazil, estando, entretanto, sujeito ao sorteio militar, indo preencher no Exército, durante a paz, claros que deveriam, pelo espirito da lei caber aos cidadãos sem o preparo necessário, tratando-se como se trata, de constituir reservas instruídas.

O preparo do atirador, na Brigada do Rio Grande começa sendo feito na machina subtarget, passando-se após ao tiro real individual a diversas distancias, culminando no tiro collectivo por fracções constituídas, como seja o pelotão.

Para o profissional que conhece as difficuldades que se oppõem á obtenção de altas porcentagens no tiro collectivo, principalmente a distancias como de 500 metros, em circunstancias atmosphericas variáveis, sobro alvos-silhuetas, debaixo das condições de determinado tempo ou de vozes regulamentares, e ainda sem a faculdade de escolha de dados atiradores para todas unidades, os resultados comparativos dos annos de 1913 a 1916 não podem deixar de calar fundo como impressão de intenso preparo technico do pessoal, mormente sabendo-se que provas semelhantes na Allemanha, por atiradores escolhidos, não foram muito além dos resultados que vamos mostrar.

No anno de 1913, no tiro collectivo nas ordens unida e dispersa, o 1º regimento de cavallaria obteve de impactos, em média, 4,76 por cento, o 1º batalhão de infantaria 15,34, o 2º batalhão 11,60 e o 3º batalhão 12,48.

No anno que vem de findar, os mesmos corpos obtiveram respectivamente 23,22 – 21,03 – 20,04 e 18,79.

Como se vê, resultados esplendidos, si bem que para isso, como parece, tivesse concorrido a distribuição de armamento novo, o que pouco influiria em mãos inhabeis.

A funcção do soldado em campanha é simples; consiste em saber marchar e servir-se de sua arma.

Mas saber marchar e servir-se da arma implica um sem número de cuidados e detalhes no preparo do soldado, no ponto de vista moral, intelectual e prático, e o ensino único do tiro não faz, portanto, um combatente na extensão lata do termo.

As revistas de instrucção de fim de anno vêm mostrar, a modo de estatísticas balanceando o conjuncto de todos os trabalhos, o esforço despendido na caserna por officiaes e praças, em bem da efficacia do ensino geral.

Um vasto programma de exame, abrangendo todas as partes do ensino pratico, theorico-prático e moral, põe em prova, no fim do anno, durante uma série de dias, commumente uma semana, as unidades dos corpos de toda a força estadual, sendo, após, classificadas, num resultado geral, mediante número de pontos obtidos por um processo previamente estabelecido.

Dentro de cada unidade ainda se dão as classificações dos diversos trabalhos individuaes ou collectivos.

No anno que findou, por exemplo, assim se collocaram as companhias de infantaria, as secções de metralhadoras dos corpos e do grupo respectivo, e os esquadrões de cavallaria, inclusivo a escolta presidencial:

1º Batalhão – 1ª companhia, 1.978; 2ª companhia – 1.784; 3ª companhia – 1.682; 4ª companhia – 1.817. Secção de Metralhadoras – 3.860; Banda de musica –  127; Banda de clarins – 373.

2º Batalhão –  1ª companhia – 1.337; 2ª companhia – 1.900; 3a companhia – 1.718; 4ª companhia – 1.736; Secção de metralhadoras – 3.984; Banda de musica –  225; Banda de corneteiros – 783.

3º Batalhão – 1ª companhia – 2.432; 2ª companhia –  2.146; 3ª companhia – 2.272; 4ª companhia – 2.227; Secção de metralhadoras – 3.540; Banda de musica – 445; Banda de corneteiros – 1.201.

1º Regimento – 1º esquadrão – 2.522; 3º esquadrão – 2.500; 4º esquadrão – 2.809; Secção de metralhadoras – 2.944; Banda de clarins – 1.116.

Grupo do Metralhadoras – 1ª secção – 2.519; 2ª secção – 2.851; 3a secção – 2.429; 4ª seccão –  2.361; 5ª secção – 3.003; Banda de clarins – 302.

Escolta Presidencial – 2.515 pontos.

Para fechar esta notícia de alguns aspectos da instrucção militar na Brigada do Estado, damos abaixo o resultado do tiro collectivo, na revista de instrucção do anno findo, o que implica a verificação dos conquistadores dos grandes prêmios – Estatueta da Victoria e Busto de Bento Gonçalves.
“A Victoria”, pela terceira vez, sem interrupção, coube ao 1º Regimento de Cavallaria, actualmente em Santa Maria, sendo esta a conquista definitiva, passando o corpo assim victorioso,  d’aqui por diante, a disputar a posse do bronze “A Fama”.

O busto do Bento Gonçalves, que já esteve no 3º Batalhão, no 1º Regimento e no 1º Batalhão, voltou novamente para a 3ª companhia deste corpo.

Resultado do Tiro Collectivo durante a Revista de Instrucção em dezembro de 1916

 

    Tiros dados Tiros acertados Porcentagem Porcentagem Geral
1º Regimento de Cavallaria 1º Esquadrão 320 69 21,56 23,22
2º Esquadrão 336 74 22,05
3º Esquadrão 304 71 23,35
4º Esquadrão 280 74 26,42
Total 1.240 288  
2º Regimento de Cavallaria 1º Esquadrão     14,24 5,425
2º Esquadrão     10,35
3º Esquadrão     7,285
4º Esquadrão     5,825
Total      
1º Batalhão de Infantaria 1ª Companhia 368 70 12,02 21,03
2ª Companhia 350 54 15,42
3ª Companhia 320 93 29,06
4ª Companhia 331 72 21,75
Total 1.369 289  
2º Batalhão de Infantaria 1ª Companhia 216 39 18,05 20,04
2ª Companhia 224 54 24,10
3ª Companhia 296 58 19,59
4ª Companhia 232 43 18,53
Total 968 194  
3º Batalhão de Infantaria 1ª Companhia 400 75 18,75 18,79
2ª Companhia 306 51 16,66
3ª Companhia 360 57 15,81
4ª Companhia 360 85 23,61
Total 1.426 268  
Grupo de Metralhadoras   722 104   14,40
Escolta Presidencial   496 72   14,51

*Mantida a grafia da época.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXIV, edição 001, de 01/01/1917, segunda-feira, página 20

 

 

 

 

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Brigada Militar comemora o 27º aniversário da Proclamação da República – Programação

A Federação, no dia 14 de novembro de 1916, terça-feira, noticiava:

Na Brigada Militar

Commemorando a data da proclamação da Republica, o commando geral da Brigada Militar baixou, hontem, a ordem do dia que abaixo transcrevemos :

Para conhecimento e devida execução publico o seguinte:

ANNIVERSARIO DA PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA

Em commeraoração ao 27º anniversario da proclamação da Repubica, realizar-se-ão as seguintes festas:

EXTERNAS

As bandas de musica tocarão alvorada em frente a Palacio, Quartel General da 7ª Região e residencia do exmo., sr. dr. Borges de Medeiros.

Ás 6 horas serão hasteadas as Bandeiras nos quartéis, com as formalidades do estylo, cantando o  pessoal o hymno da proclamação da Republica.

Ás 9 horas, uma guarda de honra do 2º batalhão irá postar-se em frente ao monumento do patriarca, dr. Jullo de Castilhos, e cantará o  hymno da proclamação da Republica, desfilando em seguida em continência.

Á essa hora, desfilarão em continencia ao exmo. sr. general vice-presidente do Estado, em exercicio, a Escolta Presidencial e o Grupo de Metralhadoras.

 

INTERNAS

Ás 10 horas, inaugurar-se-á com a presença de todos os officiaes, no salão de honra do quartel do Commando Geral, o retrato do exmo sr. general Salvador Ayres Pinheiro Machado, vice-presidente do Estado, em exercicio.

Ás 16 horas terão começo no quartel de infantaria e do Grupo de Metralhadoras as festas promovidas pelos inferiores em commemoração á gloriosa, data e de conformidade com o programma pelos mesmos elaborados.

A seguir publicamos o programma dos festejos da data de 15 de novembro, promovidos pelos inferiores daquella milicia estadual.

 

(Á tarde)

I – Gymnastica com apparelhos, sob a direcção do capitão Pedro Vaz Ferreira Filho.

II – Gymnastica militar (5 movimentos de cada série) sob a direcção do tenente José Freire de Oliveira e Souza.

III – Esgrima do bayoneta por inferiores, dirigida pelo alferes Tito Ribeiro.

IV -Esgrima de bayoneta (assaltio e defeza individual) por inferiores, dirigida pelo alferes Tito Ribeiro.

V – Gymnastica applicada, corridas coin saccos, corridas a pé com obstáculo.

VI – Dois inferiores bater-se-ão em esgrima de espada.

VII – Five-ó-clock-tea, ás exmas. familias.

 

(Á noite)

I – Secção solenne.

II – Canção do 2º Batalhão de Infantaria.

III – Cançoneta “O Portuguez”, por Antonio Rosa da Costa.

IV – Cançoneta “Caraboo”, por Oswaldo V.  Ferras.

V – Cançoneta   “O meu chapéo”, por Oswaldo M. Silva.

VI – Monologo “O voluntario”, por Waldomiro C. Raupp.

VII – Poemeto “Mello”, por C. A. Soares.

VIII — Drama em tres actos “O filho das ondas”, do poeta Lobo da Costa, representado por inferiores; ensaiador Firmino M. da Silva.

Personagens

André, T. Marinho.

Affonso, Oswaldo M. da Silva.

Lucio Juvenal – Pereira,

Elvira, snrta. Emma-De-Boor.

Marquez, Alfredo Luiz Teixeira.

Pepo (velho marinheiro), Dorival Xavier dos Anjos.

Primeiro pescador, Waldcmiro C. Raupp.

Segundo pescador, Arthur Alvares Corrêa.

Pescador, Oswaldo Gomes da Silva.

Pescador, Waldemar de Castro Ferraz.

XI -Comedia em um “Boa licção”, representada por inferiores.

Personagens

Julio, T. Marinho.

Nair, snrta. Emma De-Boer.

Pancracio, Dorival Xavier dos Anjos.

Uma mulher, A. N.

X – Apotheose, “A Republica”.

A festa terá inicio ás 18 horas.

 

Programma dos festejos organizados pelos inferiores do Grupo de Metralhadoras e da Linha de Tiro e Deposito de Recrutas, da Brigada Militar.

Primeira parte

1º – Torneio de tiro ao alvo na machina Sub-target, sendo conferida uma medalha de ouro ao vencedor.

2º – Gymnnastica Militar,

3º – Esgrima de baioneta.

4º -Match de foot-ball, entre praças do Grupo e Deposito de Recrutas.

5º – Corridas a pé, livres e em saccos.

Segunda parte

6º – Discurso allusivo á data pelo sargento-ajudante do Grupo,  Affonso Gonçalves Gomides.

7º – Drama militar em 3 actos “O Filho da Republica”, competentemente ensaiado pelo amador sr. Alfredo Alves.

Personagens

Carlos Derville, capitão republicano – sargento Aldo L. Ribeiro.

Jorge Derville, capitão realista – sargento Hermogenes Fagundes.

General Manteneau – sargento Affonso G. Gomides.

Artois, membro da Junta de Sublevação publica – sargento José Luiz Primeiro.

85 (soldado de artilharia) – sargento Francisco P. da Costa.

Jenny, vivandeira – Senhorita Affonsina Cardoso.

Martha, antiga vivandeira – A. R.

Simão, soldado recruta – Sr. Oroncio Demoly.

Sargento Robineau – Cabo Eugenio Medeiros.

Martim, o papa-ranchos – Cabo Alvariano Valladares.

Alvorada – Oscar S. Meira.

Ordenança –  Soldado Marcolino de Abreu.

Soldados republicanos e monarchistas, Clarins, etc.
8º – Apotheose á Republica, sendo cantado o Hymno da Proclamação.

Os intervallos do drama serão preenchidos por numeros de canto da menina Yolanda Barcelos e por diversas peças do Grupo.

A ornamentação do quartel e confecção dos scenarios esteve a cargo do scenographo Alfredo Tubino.

Os festejos terão começo ás 16 horas.

Nos quarteis dos corpos da Brigada Militar o rancho será melhorado e serão postas em liberdade as praças prezas correcionalmente.

*Mantida a grafia da época.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXIII, edição 264, de 14/11/1916, terça-feira, página 5