Posts

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO – Brigada Militar adquire metralhadoras, em 1911.

O Correio do Povo, no dia 2 de agosto de 1913, sábado, noticiava:

Metralhadoras para a Brigada

O Estado Maior da Brigada organizou um programma para as experiencias a serem feitas com as metralhadoras recentemente chegadas para os corpos dessa milícia. As experiencias serão feitas na linha de tiro da Chacara das Bananeiras.

Fonte: Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo”.

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Concorrência pública para construção de baias de madeira no quartel do Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar, em 1915

A Federação, no dia 30 de abril de 1915, sexta-feira, noticiava:

Brigada Militar do Estado

ASSISTENCIA DO MATERIAL

De ordem do sr. tenente-coronel commandante, chama-se concorrentes, com o praso de 15 dias, para construcção de 200 baias de madeira, no Quartel do Grupo de Metralhadoras, na Chacara das Bananeiras. O projecto das referidas baias bem como quaisquer informações serão prestadas nesta Assistencia todos os dias uteis, das 10 ás 15 horas.

Quartel do Commando Geral em Porto AlegrE, 29 de abril de 1915.

Leopoldo Ayres de Vasconcellos, Major Assistente

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXII, edição 098, de 30/04/1915, sexta-feira, página 2 – *mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Visita do Presidente do Estado à Chácara das Bananeiras, em 1915.

A Federação, no dia 19 de março de 1915, sexta-feira, noticiava:

 Visita presidencial

Conforme havíamos noticiado, visitou hontem o Posto de Veterinaria e as diversas installações da Brigada Militar na Chácara das Bananeiras, arrabalde do Parthenon, o exmo. Sr. dr. presidente do Estado.

A’s dez e meia horas, tendo chegado á residencia de sua exa. o coronel dr. Cypriano da Costa Ferreira, acompanhado dos capitães Anatolio Baeckel, instructor chefe, Cândido Pinheiro de Barcellos, secretario e alferes Pellegrino Castiglioni, ajudante de ordens, dirigiu-se para o Posto de Veterinária, instalado no antigo quartel de cavallaria da Várzea do Gravatahy, levando mais em sua comitiva os drs. Protasio Alves, secretario do interior, Domingos Mascarenhas, deputado federal, Renato Costa, official do gabinete e o capitão Lourenço Galant, ajudante de ordens.

O percurso foi feito em automoveis, tendo sido occupados tres destes vehiculos.

A’s dez horas e trinta e cinco minutos chegavam os visitantes ao Posto de Veterinaria, sendo ahi recebidos pelo respectivo encarregado, alferes Francisco Monte.

Logo em seguida dirigiram-se para a ferraria do posto, que se achava funcionando, trabalhando quatro operarios na confecção de ferraduras.

Teve, então, o dr. presidente do Estado, occasião de ver o fabrico de algumas dessas peças, elogiando s. exa. a aptidão dos homens empregados nesse mistér pois a ferraria do Posto de Veterinária apronta até duzentas ferraduras por dia e isso com aproveitamento de ferro velho, proveniente de objectos inserviveis e das próprias ferraduras usadas.

Sahindo da ferraria dirigiu-se sua exa. para um dos pateos do Posto, onde poude observar alguns especimens de reproductores e éguas.

Entre outros foram apresentados o cavallo Indio, puro sangue inglez, pello tostado, de 18 a 20 annos de idade, adquirido em 1905; um mestiço, filho de Menelick, pelo vermelho, com 2 annos de idade; Menelick, puro sangue Orloff, pello, escuro, com 20 annos, animal de tracção; egua meio sangue, zaina, 3 annos, filha de Menelick; egua meio sangue bolognez, pelo picaço, 3 ½ annos, animal de tracção; bolognez ½ sangue, escuro, 3 annos, tracção; bolognez ½ sangue, tordilho, 3. Anos, tracção; reproduclor Remember, 15 annos, zaino.

Visitou sua exa. em seguida as baias do estabelecimento em numero de sessenta e quatro, passando dahi para um segundo pateo, onde estavam cerca de 50 cavallos, tratados á meia estabulação, parte creoulos, reforçados, gordos, e que muito bem impressionou.

Vistos estes animaes, encaminnaram-se todos para a grande mangueira do Posto, onde se achavam encerrados para mais de 250 cavallos do campo, de diversos, pellos e bella apparencia, apesar de não terem trato especial.

Num pequeno potreiro ao lado foram reunidas cerca de 140 eguas de 3 a 5 annos, ½ sangue, 110 já padreadas pelos jumentos e pelos cavallos reproductores, sendo estes em numero de dois e aquelles de tres.

Viram-se mulas e burros de 1ª, 5 mezes, tendo sido muito admirado um destes, pello zaino e avaliado já em um conto de réis.

Eram 11 e 20 minutos, quando se deu por terminada a visita, tendo sua exa. o dr. presidente, antes de sahir, felicitado o encarregado do Posto, alferes Francisco Monte, pela ordem que notou e pela boa impressão que teve de tudo quanto viu.

Deixando o Posto de Veterinária, tomaram os automoveis a direção da Linha de Tiro da Brigada, ahi chegando ás 12 horas.

Neste local foram os visitantes recebidos peto tenente-coronel dr. Assis Brazil, que se occupava em trabalhos de equitação, capitão commandante do Grupo de Metralhadoras, Augusto Januário Corrêa e respectiva oficialidade, capitão Jayme da Costa Pereira, director do Deposito de Recrutas com os officiaes seus auxiliares e o tenente instructor Cicero Perfeito Ferreira.

Desembarcando junto ao Picadeiro, instalação modelar no gênero, ahi estiveram, durante ½ hora, sua exa. o dr. presidente, respectiva comitiva e os demais officiais.

Durante este tempo, o dr. Assis Brazil prelecionou sobre os processos que emprega para o ensino da equitação, desde os exercícios gymnasticos no cavallo de pau até os mais difíceis, em movimento, com o proprio cavalo.

Visto o picadeiro, teve lugar a visita ao elegante e confortável quartel das metralhadoras, quase a concluir-se, tendo sido este edifício percorrido em todas as suas dependencias. No pateo interno do mesmo acha-se prompto e installado um systema competo do apparelhos de gymnastica, como existem nos demais quarteis da milicia.

Perto do quartel das metralhadoras, e já construído ha algum tempo, existe o Paiol de Munição, servindo lambem provisoriamente de parque daquellas armas.

Ahi estiveram os visitantes, tendo sua exa.o dr. presidente examinado todo o material neste local depositado, recebendo detalhadas informações a respeito dadas pelo coronel commandante geral, como sejam o fabrico de arreios e cargueiros apropriados para as metralhadoras, feitos nas officinas da Brigada, caixas de munição etc.

Ao deixar o paiol de munição foi sua exa. assistir á formatura a cavallo de uma secção do Grupo de Metralhadoras, comandada pelo alferes Paulino Leite, a qual, após algumas evoluções, retirou-se a quartel ás 13 horas e 10 minutos.

Convidado pelo comandante geral coronel Cypriano Ferreira, sua exa. e respectiva comitiva tomaram o caminho que conduz ao Stand de tiro, em cuja sala de honra se detiveram em rapida palestra, dirigindo-se todos, momentos depois, para o salão ondo se achava posta uma mesa para um lauto almoço.

Este terminou ás 15 ½ horas, sendo ao champagne brindado por sua exa. o dr. presidente do Estado, o coronel commandante geral da Brigada, dr. Cypriano da Costa Ferreira. Neste brinde disse sua exa. que, visitando o local da Linha de Tiro da Brigada, o fazia não só para observar os novos melhoramentos, ahi introduzidos, mas tambem e muito particularmente para trazer ao coronel Cypriano com bastante significação o seu abraço de despedida, além do que iria levar-lhe por occasião da partida; que os serviços inestimáveis prestados pelo coronel Cypriano, tanto na guerra como nos labores da paz constructora, á Brigada e ao Estado o tornavam credor da alta consideração dos poderes publicos e da sua particular, pois contava esse digno militar entre o numero de seus melhores amigos: que o nome do coronel Cypriano estava ligado ao facto da Republica e que, vendo-se privado do seu leal e fecundo concurso, tinha a certeza, entretanto, de que o Governo
Federal, chamando-o para o desempenho da alta funcção de chefe do Estado Maior da 3ª divisão, saberia avaliar o mérito do illustre militar que é um ornamento de sua classe.

Levantava sua taça em honra do coronel Cypriano.

Em resposta disse este sentir-se justamente, desvanecido por saber terem, sido bem apreciados os serviços que com dedicação e lealdade prestou á Brigada Militar e, portanto, ao Rio Grande, sua querida terra natal.

E mais desvanecido ainda quando via partir da mais alta auctoridade, do Estado conceitos tão elevados á sua humilde pessoa.

Ao dr. Borges de Medeiros, emérito presidente do Estado, glorioso chefe do partido republicano, querido e acatado, agradecia tão elogiosas referencias, levantando também a taça em sua honra.

A’s 16 horas, após ter-se servido café, teve lugar um ligeiro exercício de fogo de uma secção de metralhadoras, batendo-se alvos até 500 metros, fazendo-se diversas especies de tiro, principalmente o ceifante vertical.

Terminado este exercício com geral agrado de todos, dirigiram-se sua exa. o dr. presidente, o coronel Cypriano, o dr. Mascarenhas e os demais membros da comitiva e oficiais presentes para a represa do Arroio Ferradura, distante do stand mais ou menos 2 kilometros, tendo sido feito o trajecto, parte em automoveis e parte a cavallo. Durante este percurso poude ser observada a optima estrada de rodagem que, por conta da Brigada, está sendo construída, vendo-se já promptos trabalhos numa extensão de 1.000 metros.

Esta construcção está sendo dirigida pelo capitão Figueiró, oficial reformado da milícia.

A’s 17 horas chegaram os visitantes á referida represa, destinada á fornecer a todos os edificios da Linha de Tiro agua boa o em abundância, a qual é levada a uma caixa installada aquém do morro abaixo de cuja vertente opposta corre o Ferradura.

Junto da represa acha-se a casa das machinas que fazem funcionar a bomba destinada áquelle fim.

Ainda sobre o Ferradura, no ponto em que passará a estrada em construcção, acha-se quasi concluído um bello pontilhão, feito pelo official que dirige os trabalhos da mesma estrada.

Deixando a represa seguiram todos a percorrer os extensos campos dobrados, cobertos aqui e ali de bosques, alguns com arvores de madeira de lei, passando assim por quatro casas de posteiros, que tantos são os que ahi existem, bem cuidadas e confortáveis.

A’s 7 ½ horas chegaram os excursionistas ao açude feito no alto de um morro e uns 200 metros de altitude, podendo dahi descortinar bellissimos panoramas em todas as direcções.

A’s 18 ¼  horas, após quase duas leguas de cavalgada, chegaram todos ao ponto em que se achavam os automoveis, parte terminal da estrada prompta, seguindo dahi novamente para o stand do tiro, onde foram servidos café e licor.

No livro dos visitantes ficou consignado o seguinte: “18 de março de 1915 – Visita em despedida ao illustrissimo coronel Cypriario da Costa Ferreira, que parte para a Capital
Federal, onde vae assumir a chefia do Estado Maior do Quartel General da 3ª Divisão.

(Assignados) Borges do Medeiros, Protasio Alves, tenente-coronel Assis Brazil, dr. Domingos Mascarenhas, dr. Renato Costa, official de gabinete”.

Eram 19 horas quando sua exa. o dr. presidente e os que o acompanharam, deixaram a Chacara das Bananeiras, chegando à cidade ás 19 horas e 25 minutos.

Fonte: A Federação, Anno XXXII, Edição 063, de 19/03/1915, sexta-feira, página 1 * Mantida a grafia da época.

 

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Ordem do Dia nº 22, de 12 de março de 1915 – Nomeações – Promoções – Transferências.

A Federação, no dia 13 de março de 1915, sábado, noticiava:

 BRIGADA MILITAR

Publicamos a seguir a Ordem do Dia n. 22, de hontem datada, do Commando Geral da Brigada Militar, sobre diversas nomeações, promoções e transferências:

“Quartel do Commando Geral da Brigada Militar, em Porto Alegre, 12 de março de 1915.

ORDEM DO DIA N. 22

Para conhecimento e devida execução, publico o seguinte:

Assistente do Pessoal – Conforme solicitou, é, nesta data, dispensado do cargo de Assistente do Pessoal o major Armando de Moraes Silveira, que passa a servir addido ao 3º Batalhão de Infantaria.

Para substituil-o nas funcções do referido cargo, nomeio effectivamente o major Juvenal Joaquim Teixeira, que é incluído no estado-maior da Brigada.

Assistencia do Material – Nomeio para exercer effectivamente o cargo de Assistente do Material o major do 3º Batalhão de Infantaria, Leopoldo Ayres de Vasconcellos, que é, nesta data, incluído no estado-maior da Brigada, revertendo ás respectivas funções o capitão adjunto, José João Beckhausen.

Linha de Tiro e Deposito de Recrutas – É, nesta data, dispensado, a pedido, do logar de Director da Linha de Tiro e Deposito de Recrutas, o tenente instructor Cicero Perfeito Ferreira e nomeado para substituil-o o capitão instructor Jayme da Costa Pereira.

Louvor – Dispensando hoje do cargo de Assistente do Pessoal, a pedido, o majorArmando de Moraes Silveira, é-me grato louval-o pela inteligência, zelo e lealdade com que se houve durante o tempo que exerceu o mesmo cargo, mais de três anos, tornando-se credor da minha particular estima.

Louvo também o tenente instructor Cicero Perfeito Ferreira, que também hoje deixa o logar de diretor da Linha de Tiro e deposito de Recrutas, pelo zelo, competência e solicitude com que desempenhou aquella função, desde setembro de 1911.

Communicação – O capitão Augusto Januario Correa, comunicou em officio n. 1, de 10 do corrente, ter assumido o comando do Grupo de Metralhadoras.

Promoções – Do 2º sargento da Secção de Amanuenses, Milton Torres, ao posto de 1º sargento, para a mesma secção; dos 2º sargentos instructores Manoel Toledo da Silva e João Manoel Cardoso, aos postos de 1º sargentos instructores; do soldado do 3º Batalhão de Infantaria Abelardo Castanho, ao posto de cabo instructor, e do cabo da secção de amanuenses Fernando de Carvalho Cotta, ao posto de 2º sargento, para a mesma secção.

Transferências – Do 1º sargento instructor Salvador Rodrigues da Silva e 2º dito Luiz Gomes da Silva, para o 3º Batalhão de Infantaria e aquelle do 1º Regimento de Cavalaria, para a secção de conductores.

(Assignado) Cyprianoda Costa Ferreira, coronel.”

 

Fonte: A Federação, Anno XXXII, Edição 059, de 13/03/1915, sábado, pág. 5. * Mantida a grafia da época.

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – A Chácara das bananeiras, em 1914.

A Federação, no dia 04 de março de 1914, noticiava:

Brigada Militar do Estado

Quartel na Chácara das Bananeiras

Outras Construcções

É sempre agradável uma visita á Chácara das Bananeiras.

O local é aprasivel, offerecendo magníficos pontos de vista, de onde se descortina a cidade e partes da margem opposta do Guahyba.

A presença dos morros não concorre menos para o encanto do sitio, ainda que desse lado do horizonte se restrinja, confundidos, a curta distância, o verde da vegetação com o azul do céu, numa perspectiva commum dos nosso campos.

Causam boa impressão os accidentes do terreno, as ondulações da encosta e a curva sinuosa das cristas. O ar pareço mais leve, sendo incontestavelmente mais fresco e mais puro.

Tudo dispõe bem o espirito do visitante, para apreciar o sitio nos mínimos detalhes da natureza e nos muitos e importantes melhoramentos ali introduzidos pela mão do homem.

Graças ás providencias de um governo fecundo, que cogita de dotar a milícia estadual de installações adequadas ao bem-estar das praças e a uma perfeita instrucção militar, indispensável ao bom desempenho das funcções de qualquer força armada, os proprios da Brigada Militar recebem contínuos aperfeiçoamentos, sendo digno de nota especial o que se passa na Chácara das Bananeiras.

A primeira construcção ali feita, para fins militares, foi a linha de Tiro, trabalho importante, de grandes vantagens para o preparo da tropa, e que represente também a primeira modificação do aspecto do local. Posteriormente, o edifício existente foi aproveitado, depois de ultimadas as adaptações indispensáveis para quartel do deposito de recrutas. Ahi são recolhidos os recrutas da Brigada Militar para serem classificados e distribuídos pelos corpos quando passam a prompto da instrucção preparatória.

Ultimamente verificou-se a conveniencia de construir-se um quartel amplo e confortavel, tendo o benemérito governo do Estado autorisado a execução das obras correspondentes, que vão adiantadas.

Este quartel fica localisado á direita da linha de Tiro e no alinhamento do “stand».

A posição é magnífica, não somente quanto ás condições de salubridade e facilidades da instrucção, como quanto á vista. Dahi se descortina um panorama verdadeiramente bello, como em todos os pontos elevados das cercanias de Porto Alegre.

Lá fomos ter, uma manhã, em companhia do illustre commandante da força estadual, coronel Cypriano Ferreira, que solicitamente nos prestou informações sobre a construcção e seu destino.

Foi necessário nivelar o terreno, procedendo-se a regular desaterro.

Numa extremidade da área a desaterrar via-se uma muda viçosa de timbauva, oscillando ao sopro do vento brando.

O coronel Cypriano mandou poupar a arvore nova, recommendando que na estação propicia removessem-na para um lugar que está reservado ao cultivo de plantas florestaes, conforme noticiamos, há dias.

Depois de apreciarmos as obras, pedimos para ver a planta e colhemos os dados que se seguem.

Quartel do Deposito de Recrutas

Posto que assim designado, o quartel destina-se também a alojar uma secção de metralhadoras.

As dimensões são 80 metros de frente por 50 de fundo, com um vão livre de 9,5 metros e 4,5 de altura.

Terá quatro alojamentos para praças, as dependencias necessarias á administração, prisões correccionaes, escola regimental, refeitórios e depositos de armamentos e mais materiaes; será provido de exgottos, agua e luz.

O pateo interno será circumdado por um alpendre, permittindo o transito sob coberta enxuta.

A construçção foi contractada por 117:000$000, com o constructor João Cattani, por ter sido a sua proposta julgada a mais vantajosa das apresentadas em concurrencia publica.

Espera-se que as obras estejam concluídas no fim de um anno.

Deposito de Munição

Á direita do quartel descripto e no seu alinhamento fica uma edificação elegante, de pequenas dimensões, destinada ao deposito de munições.

Outras construcções

Na frente do actual quartel do deposito de recrutas, delle separado pela rua que divide o terreno da Chácara das Bananeiras, ficam outras construcções: uma casa para moradia, um deposito de vehiculos e um picadeiro.

O deposito de vehiculos é um edifício de paredes de taboas, coberto de zinco, medindo 21 metros de frente, por 11 de fundo.

Está dividido em duas partes desiguaes; por uma parede longitudinal, achando-se installadas na menor área as baias dos animaes de tracção.

Todas as baias são providas de agua encanada para os bebedouros, tendo estes dispositivos especiaes para o escoamento da água conspurcada pelos animaes.

As mangedouras são dotadas de adaptações que facilitam a distribuição da forragem e a limpeza.

O fechamento das baias é de um systema simples e seguro, adoptado em todos as cocheiras da Brigada.

A construcção foi feita administrativamente, com o pessoal das officinas, do que resultou sensível economia.

O picadeiro é uma construcção solida, toda de madeira, sendo as columnas fixadas em pilares de alvenaria por meio de fortes peças de ferro.

Em toda a frente há um balcão, de onde os espectadores podem assistir aos exercícios de equitação.

A cobertura é de telha de “eternit”.

Mede 26 metros de frente, 12 de fundo e 5 de altura

Ha um talude interior, em todo o perímetro, com 0 m 70 X 0 m 25, para proteger a pessoa que se exercita.

A ventilação é completa e o terreno perfeitamente secco.

Está sendo feito administrativamente, com o pessoal das oficinas, pois as duas propostas apresentadas foram consideradas muito onerosas.

O picadeiro destina-se ao exercicio de equitação de officiaes e praças.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXI, edição 052, de 04/03/1914, página 3 – *mantida a grafia da época

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Visita às unidades da Brigada Militar localizadas na Chácara das Bananeiras – em 1914

A Federação, no dia 21 de fevereiro de 1914, sabado, noticiava:

Visita á Chacara das Bananeiras

Esteve, hontem, em visita á Linha de Tiro da Brigada Militar e Deposito de Recrutas, na Chacara das Bananeiras, o tenente-coronel Trogillio de Oliveira.

Ás 7,5 partiram, em automóvel, para o referido local aquelle visitante, o coronel Cypriano Ferreira, commandante da força estadual, tenente coronel Claudino Nunes Pereira, assistente do material e um dos nossos companheiros.

O terreno da Chacara é dividido pela ruaDois Irmãos”. **

Na parte fronteira ao quartel do Deposito de Recrutas, que é a de menor area, ha duas edificações novas: uma casa, já concluída, para deposito de vehiculos e cocheiras de animaes de tracção e um picadeiro, em construcção, medindo 25 metros de comprimento por 12 de largura.

Os visitantes se detiveram alguns momentos observando essas obras, que muito apreciaram, seguindo depois para o Deposito de Recrutas.

Ahi está sendo feito um grande melhoramento, com o aterro parcial de uma sanga que desce junto ao quartel actual, separando-o da linha de tiro, com a qual as communicações são estabelecidas por meio de pontes.

Foi construído um boeiro de pedra secca, com a extensão de 84 metros e secção transversal de um metro e aterrada a sanga na mesma extensão.

Desse trabalho resultam vantagens não só quanto às communicações da Linha com o Deposito, como quanto á salubridade e mesmo ás condições de segurança do edifício em que se alojam actualmente os recrutas, pois a erosão das águas já chegava aos alicerces.

É pensamento do commando da Brigada Militar augmentar o aterro, a fim de demolir uma ponte da avenida que dá accesso á Linha.

Esse melhoramento torna-se necessario sobretudo depois de installados os recrutas no quartel que se está construindo ao lado da Linha.

Serão também plantadas mudas de arvores florestaes, como cedros, jacarandás, louros e outras, para sombra e ornamento do local.

Ao lado da Linha do Tiro está sendo construído o quartel que o governo do Estado mandou construir para o alojamento dos recrutas e grupo de metralhadoras, a ser creado brevemente.

Existe também uma construcção recentemente terminada, que é o deposito de munições.

A Linha de Tiro foi percorrida pelos visitantes, tendo o tenente-coronel Trogillio de Oliveira observado attentamente as installações e sobretudo os abrigos dos marcadores.

No “stand” viam-se metralhadoras de quatro systemas, com as quaes a força estadual fez experiências, de que temos dado noticias.

Na Linha de Tiro achavam-se duas companhias do 3º batalhão, uma commandada pelo capitão Accacio de Almeida e outra pelo tenente José Flores da Silva. Essa força fazia exercícios de tiro ao alvo.

Sahindo da Linha, os visitantes estiveram na antiga Estação Agronomica, onde estão actualmente installados um deposito de materiaes e cocheiras.

Nesse local foi visto um jumento hespanhol, importado ha quatro mezes, para a cria de muares.
Dahi regressaram os visitantes á cidade, trazendo a impressão agradavel que sempre causa aquelle proprio estadual, onde dia a dia se introduzem novos e importantes melhoramentos, que o transformam completamente, tornando mais completa a sua adaptação aos fins a que é destinado.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXI, edição 044, de 21/02/1914, página 4 – *mantida a grafia da época

** O Decreto Municipal nº 290, de 20 de setembro de 1934, estabeleceu: “Art. 1º – Fica substituida por “Coronel Apparicio Borges”, a denominação da Rua Dois Irmãos, situada no 5º Distrito Municipal, entre os arrabaldes da Glória e Partenon”.

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Construção de Represa para abastecimento de água dos quartéis localizados na Chácara das Bananeiras – em 1914

A Federação, no dia 21 de fevereiro de 1914, sabado, noticiava:

Abastecimento d’agua

A Brigada Militar do Estado mandou, ha tempo, construir uma caixa d’agua e respectiva canalisação na Chacara das Bananeiras, para abastecimento á Linha de Tiro, Deposito de Recrutas e suas dependencias.

Com o desenvolvimento natural que tiveram os serviços a cargo do Deposito de Recrutas, foi necessario ampliar aquella installação.

Nessas condições, o coronel Cypriano Ferreira, commandante geral da Brigada ordenou a construcção de uma represa no “Arroio Ferradura”, a fim de recalcar a agua desse regato, que é de optima qualidade, para a caixa já em funccionamento;

Essa installação complementar constará da construcção da represa já referida, uma casa para a bomba, caldeira e residência do machinista.

A represa, distando, um kilometro da Caixa já construída, será ligada a esta por um encanamento de duas pollegadas de diâmetro, canos galvanisados.

A bomba a empregar será a do typo “Worthington e caldeira horizontal Gonçal Surice, que deverá recalcar, em 10 horas de funccionamento, de 60 a 70 metros cúbicos d’agua.

Para a execução desse serviço, a Assistência do Material, de ordem do Commando Geral, abriu concurrencia publica, que se encerrou a 18 do corrente.

Apresentaram propostas para essa construcção, compromettendo-se a executal-a pelos seguintes preços:

Alliança do Sul, 12:375$000; Bromberg & C., 15:530$000; Lima & Martins, 11:500$000.

Foi preferida esta ultima por ser mais vantajosa, devendo, hoje, ser assinado o respectivo contracto.
Com essa instalação complementar a administração do Deposito de Recrutas disporá, diariamente, de 100 m³ d’agua para o consumo daquelle estabelecimento, que dará
sufficientementc para as suas necessidades.

O serviço deverá ser entrego em perfeito funccionamento dentro de 60 dias.

Devido as sinuosidades do terreno, o encanamento passará, em diversos pontos, sobre postes de alvenaria ou de ferro, onde serão colocadas valvulas para a retirada de corpos estranhos que se possam depositar na parte syphonada.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXI, edição 044, de 21/02/1914, página 3 – *mantida a grafia da época

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Medição da área da Chácara das Bananeiras.

A Federação, no dia 20 de dezembro de 1916, quarta-feira, noticiava:

 Area da Chacara das Bananeiras – Da medição procedida pelo tenente Instructor Emilio Lucio Esteves, nos terrenos da Chacara das Bananeiras, verificou-se a existência de uma área de 3.008.152,4659 metros quadrados.

*Mantida a grafia da época.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXIII, edição 294, de 20/12/1916, quarta-feira, página 4

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Inauguração da Linha de Tiro da Brigada Militar

Correio do Povo, no dia 23 de novembro de 1910 noticiava:

Linha de tiro da Brigada

O dr. Carlos Barbosa, presidente do Estado, dirigiu, hontem, ao commandante da Brigada Militar, o seguinte officio: “Ao sr. coronel Cypriano da Costa Ferreira, commandante geral da Brigada Militar. – Assistindo, hontem, a inauguração festiva da linha de tiro da Brigada Militar, construida na chacara das Bananeiras, tive propicia occasião de applaudir, mais uma vez, o perfeito gráu de instrucção da força militar do Estado, nos differentes exercicios ali effectuados, em minha presença. E, como trouxesse da referida linha de tiro, instalada com todos os indispensaveis requisitos, a melhor impressão, desejo significal-a ainda nestas linhas, complemento dos merecidos garbos que tive occasião de apresentar-vos pessoalmente. – Saúde e fraternidade. – Dr. Carlos Barbosa

Fonte: Jornal Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo”

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Linha de Tiro da Brigada Militar – Inauguração I

Correio do Povo, no dia 11 de novembro de 1910 noticiava:

 Linha de tiro – A 19 do corrente, ás 3 horas da tarde, realizar-se-á, na chácara das Bananeiras, arraial do Parthenon, a inauguração official da linha de tiro da Brigada Militar. Carlos Barbosa, presidente do Estado, comparecerá ao acto.

*Mantida a grafia da época

Fonte: Jornal Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo.

Linha de Tiro da Brigada Militar - 1909

Linha de Tiro da Brigada Militar – 1909