A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Escola da Brigada Militar, em 1908.

O Correio do Povo, no dia 5 de julho de 1908 noticiava:

Escola da Brigada Militar

Continua a funccionar a escola da brigada militar, installada em uma das salas do pavimento superior do quartel general daquella milicia.

As aulas têm actualmente a frequencia de 15 alumnos.

Fonte: Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo”.

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Sociedade Protetora do Turfe – Grande Páreo Brigada Militar, em 1915.

A Federação, no dia 03 de julho de 1915, sábado, noticiava:

Projecto dos grandes prêmios

Distribuidos pela

Protectora do Turf

Em 1915

Em 11 de julho – Grande Pareo Brigada Militar – em 1.609 metros

Premios: 1:000$000 – 100$000 – e 40$000 – Para animaes nascidos no Estado; peso da tabela.

Inscripção a 1º de Julho

Fonte: A Federação, Anno XXXII, Edição 152, de 03/07/2015, sábado, pág. 5. *Mantida a grafia da época

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Regulamento do Serviço Interno e de Guarnição, em 1914.

A Federação, no dia 03 de julho de 1914, sexta-feira, noticiava:

Regulamento para o serviço interno e de guarnição – Por decreto de hontem, o governo do Estado approvou o regulamento para o serviço interno e de guarnição, da Brigada Militar.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXI, Edição 155, de 03 de julho de 1914, sexta-feira, páginas 4 e 5. *Mantida a grafia da época.

Decreto n. 2.095, de 2 de julho de 1914.

Approva o regulamento para o serviço interno e de guarnição da Brigada Militar.

O presidente do Estado do Rio Grande do Sul, no uso da attribuição que lhe confere a Constituição, art. 20, n. 4, resolve approvar o regulamento que com este baixa, para o serviço interno dos corpos de guarnição da Brigada Milhar.

Palacio do Governo, em Porto Alegre, 2 de julho de 1914.
(Assignados)

A. A. Borges de Medeiros

Protasio Alves.

Decreto 2095 - 02 07 1914

**Este Regulamento foi publicado, na íntegra, na Edição 163, do dia 12/07/1914, páginas 13 a 18 (em folhas tamanho A4 – ofício – são 63 páginas)

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Incêndio no quartel do 1º Batalhão de Infantaria da Brigada Militar, em 1914.

A Federação, no dia 03 de julho de 1917, noticiava:

Incêndio no 1º batalhão de infantaria da Brigada Militar – Momentos após a sua chegada a quartel, o Corpo do Bombeiros foi avisado de que havia fogo no quartel do 1º batalhão de infantaria da Brigada Milhar, á rua General Canabarro. Dirigindo-se com presteza ao local referido, os bombeiros pouco tiveram a fazer, pois o fogo fôra extincto, em poucos momentos, a baldes d’água.

Sabedor do occorrido compareceu logo ao quartel o respectivo commandante, tenente-coronel Francelino Rodrigues Cordeiro.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXI, Edição 155, de 03 de julho de 1914, sexta-feira, página 5. *Mantida a grafia da época.

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Canção Marcial em homenagem a Bento Gonçalves, em 1914.

A Federação, no dia 03 de julho de 1914, sexta-feira, noticiava:

BRIGADA MILITAR

Hymno Bento Gonçalves – Canção Marcial

Procurando desenvolver o mais possível a instrucção entre os corpos da Brigada Militar o seu commandante, nosso amigo coronel Cypriano da Costa Ferreira organizou, ha tempos, um concurso de tiro ao qual deu o nome do legendário Bento Gonçalves, conforme antecipamos.

Pouco depois começaram na linha do tiro d’aquella corporação, na Chacara das Bananeiras, as provas referentes ao mesmo e a victoria coube á 1ª companhia do 3º batalhão.

Conforme o regulamento este corpo receberá o busto do heroico farroupilha, que será collocado no alojamento d’aquella companhia.

O acto, que se revestirá de solemnidade, effectuar-seá no dia 20 do corrente, anniversario da organisação do citado corpo.

Por essa occasião será cantado o hymno que abaixo publicamos, letra do festejado poeta patrício Zeferino Brazil e musica do conhecido maestro, alferes Pedro Borges.

Hymno Bento Gonçalves

GRUPO

O Chefe Farropilha,
o genio, a luz da guerra,
assombro foi da terra,
do pampa e da coxilha.

I

No seu corcel fogoso,
quando Elle apparecia,
o inimigo temeroso
ao seu valor fugia.

O Chefe Farropilha,
etc.

II

A espada rutilava
ao sol da ingente luta,
e o bravo, que passava,
vencia a força bruta.

O Chefe Farropllha,
etc.

III

Foi Elle, dos sagrados
ás forças combatentes,
honrado, entre os honrados,
valente, entre os valentes

O Chefe Farropilha,
etc,

IV

Contrario ao mal, ao esbulho,
foi guapo entre os mais guapos,
da Patria foi orgulho
e gloria dos Farrapos.

O Chefe Farropilha,
etc.

V

A Patria agradecida
sobre Elle o amor espalma
— Vida, que lhe deu vida,
Alma, que lhe deu Alma.

 

Fonte: A Federação, Anno XXXI, Edição 155, de 03/07/1914, sexta-feira, pág. 1. *Mantida a grafia da época.

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – O Cinema Avenida homenageia o Comandante-Geral da Brigada Militar e os Comandantes de Unidades, em 1914 – II

A Federação, no dia 01 de julho de 1914, quarta-feira, noticiava:

Cinema AVENIDA

O preferido da sociedade porto-alegrense

Luxo – Conforto – Elegância

Proprietário: Julio M. Correa

A primeira Sessão começará às 18 horas em ponto

HOJE – Quarta-feira – HOJE

SOIRÉE DA MODA

Dedicada ao exmo Sr. coronel CYpriano da Costa Ferreira, digníssimo commandante geral da Brigada Militar do Estado e aos srs. commandantes dos 1º, 2º e 3º batalhões de infantaria, tenentes-coroneis Francelino Cordeiro, Affonso Emilio Massot e Aristides da Câmara e Sá, 1º e 2º regimentos de cavallaria, tenentes-coroneis Claudino Nunes Pereira e Juvencio Maximiliano de Lemos

1ª Projecção

PARAGRAPHO III – ouverture de F. Suppé

2ª Projecção

LUCIA – fantasia – Donizetti

3ª Projecção

SOUVENIR – fantasia – Jaques Offenback

4ª Projecção

BARÃO DOS CIGANOS – Valsa de R. Berger.

JOÃO PUNIDO – Deslumbrante film colorido, magistralmente desempenhado pelos afamados artistas da fabrica ECLAIR, de Paris.

5ª Projecção

A JAPONEZA – Marcha de Lamote

ÉCLAIR JOURNAL – Ultimo numero do 3º anno – Contendo o que há de mais palpitante em novidade.

A MULHER DOS OUTROS

Estupendo e grandioso drama em 3 actos com 1650 metros e quadros, sucesso, da fabrica “CELIO FILM ROMA”, no qual tomam parte os principais artistas desta acreditada fabrica.

Os programmas do Avenida são sempre os mais escolhidos porque o proprietário faz questão em satisfazer o publico mais exigente

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXI, Edição 153, de 01 de julho de 1914, quarta-feira, página 5.

*Mantida a grafia da época.

** Formatação adaptada para publicar neste espaço.

 

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – O Cinema Avenida homenageia o Comandante-Geral da Brigada Militar e os Comandantes das Unidades, em 1914 – I

A Federação, no dia 01 de julho de 1914, noticiava:

Cinema Avenida

A funcção de hoje, neste cinema, será dedicada do coronel Cypriano da Costa Ferreira, commandante geral da Brigada Militar do Estado e aos commandantes dos 1º, 2º e 3º batalhões de Infantaria, tenentes-coroneis Francelino Cordeiro, Affonso Emílio Massot e Aristides da Camara e Sá, 1º e 2º regimento de cavallaria, tenentes-coronéis Claudino Nunes Pereira e Juvencio Maximiliano de Lemos.
Foi organisado o seguinte programa: Eclair Journal; A mulher dos outros, drama em 3 actos e 1650 metros (Célio – Film –  Roma); João Punido, comedia.

Fonte: Jornal A Federação, Ano XXXI, Edição 153, de 01 de julho de 1914, quarta-feira, página 4. *Mantida a grafia da época.

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – 2º Batalhão de Infantaria da Brigada Militar trabalha na construção de estradas, em 1917.

O Correio do Povo, no dia 26 de junho de 1917, terça-feira, noticiava:

Construcção de estradas – O tenente Gottlieb José Bocorny e o alferes Salvador Rodrigues da Silva, que commandavam os destacamentos do 2º Batalhão de Infantaria estacionados, respectivamente, na Barra do Ribeiro e em Rocca Salles, povoado do Picão, remetteram, ao commando geral da Brigada Militar, os relatorios dos trabalhos realizados nas citadas localidades pelos ditos destacamentos, e bem assim uma planta dos trabalhos feitos na Barra do Ribeiro e um croquis de levantamento do povoado do Picão. Desses relatorios verifica-se que o destacamento da Barra do Ribeiro, durante 4 mezes e 26 dias, conseguiu apromptar cerca de mil e oitocentos metros de estrada, que foi entregue ao transito publico.

Fonte: Correio do Povo – Coluna “Há um Século no Correio do Povo” *Mantida a grafia da época.

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Alferes da Brigada Militar é nomeado Subdelegado de Polícia, em Santana do Livramento, em 1917

A Federação, no dia 26 de junho de 1917, terça-feira, noticiava:

Sub-delegado de policia – Foi nomeado o Alferes João Orça Rolim, da Brigada Militar do Estado, para exercer o cargo de sub-delegado de policia do 6º distrito do município de Sant’Anna do Livramento, em substituição ao Tenente Manoel Luiz Valente, que foi exonerado hontem.

Fonte: A Federação, Anno XXXIV, Edição 147, de 26/06/1917, terça-feira, pág. 5. *Mantida a grafia da época.

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Campeonato de Tiro da Brigada Militar – Premiação ao 1º Regimento de Cavalaria, em 1917 – III

A Federação, no dia 18 de junho de 1917, segunda-feira, noticiava:

FESTA NA BRIGADA MILITAR

Entrega do bronze “A Victoria” ao 1º Regimento

Sabbado ultimo, conforme tivemos occasião de noticiar, foi entregue, ás 14 horas, o premio de honra a estatueta “A Victoria” ao 1º Regimento de Cavallaria da Brigada Militar.

Este corpo, que ha tres anos consecutivos vem obtendo no tiro colectivo o primeiro logar entre as demais unidades arregimentadas da milícia estadual, conquistou assim, de accordo com as disposições do programma de instrucção da mesma força a posse definitiva daquele premio.

Para conduzir as pessoas que assistiram a festa a que nos referimos, o nosso amigo dr. Montaury de Aguiar Leitão pôz á disposição um trem da Estrada do Ferro do Riacho.

Neste comboio tomaram passagem as seguintes pessoas: Coronel Affonso Emilio Massot, comandante geral do Brigada Militar, acompanhado do seu estado-maior, composto do Major João Candido Machado, assistente do pessoal, Capitão Arlindo Franklin Barbosa, assistente do material, interino; capitão Cândido Pinheiro de Barcellos, secretario; Alferes Christiano José Bocorny, ajudante de ordens e dos Tenentes-Coroneis Francellino Rodrigues Cordeiro, commandante do 1º Batalhão; Aristides da Camara e Sá, commandante do 3º Batalhão; Majores Gregorio Portuguez, Amadeu Massot e Augusto Januário Correa, Capitão Lourenço Galant; commandante da Escolta Presidencial; Mirandolino Machado, comandante do Grupo de Metralhadoras;  Tenentes do Exercito, Anatolio Baeckel, Emilio Lucio Esteves e João de Deus Canabarro Cunha, instructores o outros officiaes.

No quartel do 1º Regimento da Brigada Militar, no Crystal, a comitiva foi recebida pelo comandante e e officialidade daquelle corpo.

Em frente do edificio onde se acha installado o 1º Regimento, achava-se postada uma guarda de honra, que prestou as continencias a que tem direito o commando geral.

Essa guarda de honra era commandada pelo Capitão Cassiano Vasques.

Logo após, a chegada do commando geral, teve inicio a solenidade da entrega do premio a que nos referimos.

Por essa occasião foi lida, pelo Capitão secretario Candido Barcellos, a ordem do dia que a seguir transcrevemos :

“Quartel do Commando Geral da Brigada Militar, em Porto Alegre, 16 de junho de 1917.

ORDEM DO DIA N. 61

Para conhecimento da força sob meu commando publico o seguinte:

PREMIO DE HONRA — ESTATUETA “A VICTORIA” – CONQUISTA DEFINITIVA

O 1° Regimento de Cavallaria, sob o commando do tenente-coronel Claudino Nunes Pereira, alcançou por tres vezes consecutivas o 1º logar nos concursos de tiro collectivo.

Cabe-lhe por esse motivo a posse definitiva da estatueta “A Victoria”, premio estabelecido pela clausula 5ª do Programma de Instrucção, para o corpo que conseguisse essa classificação.

Entregando ao 1º Regimento o premio de honra que conquistou e com a solennidade que estabelece a ordem do dia n. 327 de 11 junho de 1913, o faço com especial satisfação, por isso que é muito significativa a victoria obtida por este corpo, considerando que apezar de achar-se fora da Capital, em serviços de campanha, nunca foi descuidada da instruação do tiro, organizando seu comandante linhas para exercícios nos pontos em que acampava por largo tempo.

Assim procedeu em 1915 quando na villa do Rosário, assim procedeu egualmente em 1916, quando aquartelou em Santa Maria.

Em 1914 venceu com a porcentagem de 13,48; em 1915 com a de 17,31 e em 1916 com a de 23,22.

O progresso constante, verificado por estas porcentagens, aliás tambem observado de modo brilhante nas outras unidades da Brigada, prova de modo eloqüente o empenho do commandante e seus officiaes em preparar seus soldados no tiro de guerra.

Receba o snr. Tenente-Coronel Claudino com os officiaes do 1º Regimento de seu commando meus efusivos cumprimentos – (Assignado) Affonso Emilio Massot, Coronel.”

Em seguida, começou a entrega dos prêmios em dinheiro, ás praças que obtiveram classificação no exercicio de tiro individual, de conformidade com o Programma de Instrucção.

Finda essa entrega, foi cantada a Canção do Soldado, por todas as praças do referido corpo.

O Capitão João Cândido Alves de Mesquita fez, então, uma prelecção sobre a data de 17 de junho.

Ainda no pateo do quartel do 1º Regimento, foram feitas evoluções por um esquadrão, dirigido pelo Capitão Cassiano Vasques.

Recebido no gabinete do commandante do Regimento o Coronel Massot fez uso da palavra felicitando o Tenente-Coronel Claudino pelo resultado alcançado no tiro collectivo, prova evidente de seu constante cuidado e carinho pela instrucção do seu Regimento.

Em expressivas palavras o Coronel Claudino agradeceu a saudação feita pelo commando geral.

Em seguida, foi servido chá e finos doces a todos os presentes, havendo, nesta occasião, várias saudações.

A estatueta A Victoria foi levada do gabinete do comandante até o logar da solennidade pelo 1º atirador da Brigada, 1º sargento amanuense do Grupo de Metralhadoras, Pedro Pereira Alves e dahi reconduzida ao gabinete pelo 1º atirador do corpo, soldado Gregorio Maria Magdalena.

Ás 17 horas, regressou o Coronel Affonso Massot e sua comitiva para a cidade, ficando no Crystal varios officiaes e famílias para assistirem a sessão cinematographica no quartel.

 

Fonte: A Federação, Anno XXXIV, Edição 140, de 18/06/1917, segunda-feira, pág. 7. *Mantida a grafia da época

Estatueta A Vitoria

Foto existente no Álbum comemorativo aos 30 anos de criação da Brigada Militar