O DIA 12 DE DEZEMBRO NA HISTÓRIA DA BRIGADA MILITAR – “Dia do Inativo da Brigada Militar”

Nas instituições militares, o reconhecimento aos camaradas que em épocas passadas envergaram a farda é um prática universal.

Na Brigada Militar, desde a década de 1960, os integrantes da reserva e reformados têm sido objeto de ações institucionais que externam este reconhecimento.

“… Criou o Comandante Geral uma secção em seu gabinete, com a finalidade de atender os inativos. Dessa maneira ficou preenchida mais essa lacuna, pois doravante os nossos camaradas inativos terão um lugar para onde se dirigirem a fim resolverem problemas não só de caráter militar, como, também, social. …”   Boletim Informativo de 1964, página 57

“… Nosso profundo reconhecimento aos inativos, que por muitos anos souberam conduzir esta Fôrça a um estágio de dignidade e elevado senso de responsabilidade nos misteres da segurança
pública. …”    Boletim Informativo de 1963, página 42

“… Não desmereçamos nossos antepassados, que sempre souberam elevar o nome de nossa querida Força. …”   Boletim Especial nº 10, de 18/11/1969

Inicialmente realizadas no transcorrer da “Semana de Aniversário da Brigada Militar”, as homenagens passaram a ser realizadas em uma data fixa,  em 1981 –  12 de dezembro -, com a instituição do “Dia do Inativo da Brigada Militar“.   Boletim Geral nº 190, de 08/10/1981

 

 

 

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Comemoração alusiva aos 15 anos de falecimento do Dr. Julio de Castilhos.

O Correio do Povo, no dia 24 de outubro de 1918, quinta-feira, noticiava:

Julio de Castilhos – Passando, hoje, a data do falecimento do dr. Julio de Castilhos, ex-presidente deste Estado, o partido republicano, do qual o extincto foi chefe, realisará uma comemoração junto ao seu monumento, na praça Marechal Deodoro. O ponto de reunião para esse fim será em frente ao edifício da Assembléa dos Representantes, às 17 horas. A essa comemoração comparecerão, incorporados, a Assembléa dos Representantes, o Conselho Municipal e muitas escolas publicas. Junto ao monumento, fará uso da palavra, em nome do partido republicano e da Assembléa, o dr. Sérgio de Oliveira, deputado estadual. Por ocasião dessas solemnidades as bandas de Musica da Brigada Militar executarão a “Apotheose”, letra do poeta Zeferino Brasil, e musica do maestro alferes Pedro Borges, diretor da grande banda de musica da Brigada Militar. O original dessa produção, será na ocasião, offerecido ao dr. Borges de Medeiros, presidente do Estado.

*Mantida a grafia da época

Fonte: Correio do Povo – Coluna “HÁ UM SÉCULO NO CORREIO DO POVO”

O DIA 21 DE OUTUBRO NA HISTÓRIA DA BRIGADA MILITAR – Falecimento do Coronel Affonso Emílio Massot, em 1925

Há 93 anos, no dia 21 de outubro de 1925, quando exercia o cargo de Comandante-geral da Brigada Militar, faleceu o Coronel Afonso Emilio Massot.

Comandou a Brigada Militar por 10 anos, 7 meses e 21 dias.

Uma pequena biografia do Coronel Afonso Emílio Massot está disponível no livro No Ápice da Glória, disponível na  rede internet (páginas 45 a 57):

https://issuu.com/brigadiano/docs/no_apice_da_gloria

 

 

O DIA 15 DE OUTUBRO NA HISTÓRIA DA BRIGADA MILITAR – Inauguração do quartel do 2º Regimento de Cavalaria, em 1921

 

O Esboço Histórico da Brigada Militar, Volume II, páginas 19 a 21, disponível para acesso gratuito neste site, registra com detalhes este momento da História da Brigada Militar.

O Álbum Comemorativo dos 30 anos de criação da Brigada Militar, também disponível para acesso gratuito neste site, traz a seguintes imagens do evento:

 

 

 

 

 

 

 

 

O DIA 15 DE OUTUBRO NA HISTÓRIA DA BRIGADA MILITAR – A denominação Brigada Militar, em 1892

Há 126 anos, conforme registra SIMÕES[1], “… a crise política que antecedera a Revolução de 1893 alterou a estrutura administrativa estatal até então vigente sob o manto da Carta Estadual de 1891, desconstituída pelo governo provisório que assumira. Em decorrência disso, dentre seus efeitos marcantes, atingia-se a organização policial-militar existente, nas questões organizacionais, com implicação em mudanças sucessivas de denominações, até que, por fim, com o restabelecimento do “governo castilhista”, a mesma instituição sofria novo processo de reorganização geral em 15.10.1892, dando lugar a uma nova organização que recebera a denominação na ocasião de Brigada Militar do Estado …”

O Esboço Histórico da Brigada Militar, Volume I, páginas 62 a 73, disponível para acesso gratuito neste site, registra com detalhes este acontecimento da História da Brigada Militar.

[1] SIMÕES, Moacir Almeida, Brigada Militar: Trajetória Histórica e Evolução na Constituição, Porto Alegre, EDIPUCRS, 2014, páginas 119 a 132.

O DIA 11 DE OUTUBRO NA HISTÓRIA DA BRIGADA MILITAR – Criação do Curso Prático de Enfermeiros e Padioleiros, em 1916

Há 102 anos, a Brigada Militar criou um Curso Prático de Enfermeiros e Padioleiros.

O Esboço Histórico da Brigada Militar, Volume I, página 502, faz o seguinte registro:

“A ordem do dia nº 102 de 11 de outubro, diz que “atendendo às vantagens indiscutidas de se ter na Brigada Militar enfermeiros e padioleiros educados e preparados como profissionais competentes, capazes de desempenhar as importantes funções que lhes incumbem, tornando-se bons auxiliares dos médicos no serviço sanitário militar, resolve o comando geral criar o “Curso Pratico de Enfermeiros e Padioleiros da Brigada Militar” anéxo ao Hospital.

O regulamento respectivo, publicado na referida ordem do dia, foi elaborado pelo capitão dr. Armando Bélo Barbedo, chefe interino do serviço sanitário.”

O Álbum Comemorativo aos 30 anos de criação da Brigada Militar contém as seguintes ilustrações, relacionadas ao mencionado Curso:

O DIA 7 DE OUTUBRO NA HISTÓRIA DA BRIGADA MILITAR – Criação do 3º Regimento de Cavalaria, em 1930

Há 88 anos, no decorrer da Revolução de 1930, foi criado o 3º Regimento de Cavalaria, organizado na cidade de Alegrete, onde permaneceu até o final da Revolução.

Em 9 de janeiro de 1931, este Regimento foi transferido para a cidade de Passo Fundo, onde chegou no dia 12 do mesmo mês.

Mais detalhes sobre este episódio da História da BM podem ser vistos no Esboço Histórico da Brigada Militar, Volume III (páginas 74 e 87), disponível para acesso gratuito neste site.

Mais informações sobre a história do 3º Regimento de Cavalaria, hoje 3º Regimento de Polícia Montada (3º RPMon), podem ser acessadas em http://3rpmon.blogspot.com/p/historia.html

 

 

 

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Curso de Enfermeiros e Padioleiros, em 1918.

O Correio do Povo, no dia 22 de setembro de 1918, domingo, noticiava:

O curso de enfermeiros da Brigada

O general Thaumaturgo de Azevedo, presidente da Cruz Vermelha Brasileira, em officio que dirigiu ao coronel Affonso Emilio Massot, comandante geral da Brigada Militar, felicita-o pela creação do curso de enfermeiros e padioleiros e pelos resultados que já se vem apreciando do ensino respectivo, pediu a remessa do regulamento e instrucções do mesmo curso visto ser a Brigada, presentemente a corporação que tem esse serviço organizado.

Além dessa regulamentação solicitou também a formula dos certificados que recebem os enfermeiros que completam o curso e do juramento que prestam; desenho ou descripção dos distinctivos que usam que usam; modelo de padiolas e outros utensílios de transporte de feridos.

O coronel Massot está providenciando no sentido de ser, com a máxima brevidade, atendido o desejo do general Thaumaturgo.

A Brigada Militar formava enfermeiros e padioleiros em seu hospital

*Mantida a grafia da época

Fonte: Correio do Povo – Coluna “HÁ UM SÉCULO NO CORREIO DO POVO”

O DIA 06 DE SETEMBRO NA HISTÓRIA DA BRIGADA MILITAR – Combate do Capão das Laranjeiras, em 1894.

Há 124 anos, no decorrer da “Revolução Federalista de 1893” no dia 06 de setembro de 1894, aconteceu o Combate do Capão das Laranjeiras, onde foi morto o Comandante do 1º Regimento de Cavalaria da Brigada Militar, Coronel Fabrício Batista de Oliveira Pilar.

Mais detalhes sobre este episódio da história da BM podem ser vistos no Esboço Histórico da Brigada Militar, Volume I  (páginas 288 a 291), disponível para acesso gratuito neste site.

A Comissão Editorial da Brigada Militar, por ocasião do transcurso do Sesquicentenário da Brigada Militar, editou o livro “Memórias da Revolução de 1893“, organizado pelo Coronel Hélio Moro Mariante, a partir de dois volumes manuscritos  pelo Tenente-Coronel Fabricio Batista de Oliveira Pilar.

No dizer de Hélio Moro Mariante: ” … a descrição pormenorizada do dia-a-dia de uma unidade militar de intensa atuação no contexto bélico da Revolução de 1893 ” …

 

Monumento existente no “Capão das Laranjeiras”

 

 

 

 

 

 

 

 

O Jornal Correio Brigadiano editado em 12/08/2016, registra:

  • 2 cavalgadas do 1º Regimento de Cavalaria até o Capão das Laranjeiras, em homenagem ao Tenente-Coronel Pilar, em 2002 e em 2013;
  • 1 cavalgada de tradicionalistas, do Capão das Laranjeiras até o quartel do 1º RPMon, em 2014.

 

 

 

 

O DIA 04 DE SETEMBRO NA HISTÓRIA DA BRIGADA MILITAR – Combate de Santo Anastácio, Estado de São Paulo, em 1924.

Em 05 de julho de 1924, eclodiu um movimento revolucionário, em São Paulo.

O Governador do Estado do Rio Grande do Sul, “… ofereceu ao governo federal o concurso da Força Pública do Rio Grande, para auxiliá-lo na manutenção da ordem.”

Foi constituído um Grupo de Batalhões de Caçadores (GBC), comandado pelo Tenente-Coronel Emilio Lúcio Esteves, composto do 1º Batalhão de Caçadores (1º BC), comandado pelo Tenente-Coronel João de Deus Canabarro Cunha, do 2º Batalhão de Caçadores (2º BC), comandado pelo Tenente-Coronel Artur Otaviano Travassos Alves e de uma Companhia de Metralhadoras Pesadas (Cia Mtr P), comandada pelo Capitão Alzimiro Francisco Wellausen, totalizando 1.170 brigadianos.

No dia 13 de julho, o GBC, com 1.106 brigadianos, partiu à bordo do vapor Itaúba, para o porto de Rio Grande onde fez transbordo para o navio Poconé, chegando ao Rio de Janeiro em 19 de julho.

Suprido de material bélico, na noite de 21 de julho, o GBC partiu, por via férrea, para o Estado de São Paulo, onde passou a atuar, subordinado ao Comando da 2ª Região Militar.

No dia 23 de julho, começou a participar dos combates, na cidade de São Paulo, que resultaram na fuga dos rebelados para o interior do Estado.

No dia 04 de setembro de 1924, há 94 anos, às 16 horas, a vanguarda do 2º BC manteve contato com as forças rebeladas , na localidade de Santo Anastácio, onde travou-se renhido combate, que terminou às 21:30 horas.

Mais detalhes sobre este episódio da história da BM podem ser vistos no Esboço Histórico da Brigada Militar, Volume II  e no Esboço Histórico da Brigada Militar, Volume III (página 567), ambos disponíveis para acesso gratuito neste site.

Também o livro A História de um Vanguardeiro, Silva, Antonio Silveira da. Editora Evangraf.2007, uma Biografia do Coronel Mirandolino Machado, que participou do combate, traz muitas informações.

Em um cemitério, na cidade de Santo Anastácio, onde, na época, foram sepultados os brigadianos  mortos  no combate, há uma homenagem prestada pela comunidade e pelos Comandantes.