Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO – Quartel da Brigada Militar, em Santa Maria – 1914

A Federação, no dia 07 de março de 1914, sábado, noticiava:

 Edifício militar concertado

Como é do dominio publico, a Brigada Militar do Estado possue na cidade de Santa Maria um bom quartel, em forma quadrangular.

No anno próximo findo desabou uma parte de um pavilhão desse quartel, em consequencia de defeitos no madeiramento.

O quartel foi reconstruído na parte desabada, reformados 03 compartimentos que disso precisavam, reforçados os alicerces, que não offereciam garantias de segurança, todo retelhado, pintado e reformado todo o madeiramento. Emfim passou por uma quasi completa transformação, apresentando, hoje, agradavel aspecto e condições de inteiro conforto á tropa.

É occupado pela força ali destacada.

As obras estiveram a cargo do constructor Paulo Laurent, e importaram em cerca de vinte contos.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXI, edição 055, de 07/03/1914, sábado, página 5 – *mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Quartel de Infantaria da Brigada Militar, em 1914.

A Federação, no dia 07 de março de 1914, sábado, noticiava:

Construcção militar

Está sendo construído nos fundos do quartel de Infantaria da Brigada Militar um pavilhão destinado á installação de exgottos e banheiros para os 2º e 3º batalhões da força estadual e escolta presidencial.

Esse pavilhão terá uma installação d’agua própria. A água será captada no Guahyba, fazendo-se para isso um poço filtrante e o recalque será feito por uma bomba electrica; junto ao pavilhão haverá outro poço cimentado.

Esses dois poços serão ligados por um encanamento, com differença de nivel sufficiente para que a agua seja conduzida pelo effeito da gravidade, do poço filtrante ao do pavilhão, de onde será recalcada pela bomba para um reservatório de 40 metros cúbicos de capacidade, collocado sobre as paredes de um passadiço que ligará o pavilhão ao quartel.

A agua será utilisada não só nas installações sanitarias como nos serviços de lavagens do quartel.

O pavilhão terá 18 metros de frente e 9,5 de fundo, com o mesmo pé direito e architectura do quartel de infantaria.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXI, edição 055, de 07/03/1914, sábado, página 5 – *mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Banda de Música da Brigada Militar, em 1912.

Correio do Povo, no dia 7 de março de 1912, quinta-feira, noticiava:

Banda de musica da Brigada

Foi, hontem, alojada no quartel do 1 batalhão de infantaria da Brigada Militar, a grande banda de musica, ha pouco organisada para a Brigada, e que obedecerá a direcção do professor alferes Pedro Borges. Dentro de poucos dias, a referida banda dará um concerto defronte o palacio presidencial. Actualmente, o effectivo é de 30 musicos.

Fonte: Jornal Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo”.

 

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Banda de Música da Brigada Militar, em 1911.

Correio do Povo, no dia 7 de março de 1911, segunda-feira,  noticiava:

Musica da Brigada – Sabemos que, hoje, o coronel Cypriano Ferreira submetterá a apreciação do presidente do Estado um projecto criando uma banda de musica da Brigada Militar, com bons elementos tirados das demais bandas dessa milicia.

Fonte: Jornal Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo”.

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Tiro coletivo no 2º Regimento de Cavallaria da Brigada Militar, em 1914.

A Federação, no dia 06 de março de 1914, noticiava:

Tiro collectivo da Brigada

Sabemos que o 2º Regimento de Cavallaria da Brigada Militar, aquartelado em Sant’Anna do Livramento, concorrerá este anno ao tiro collectivo dos corpos dessa força, para o que com toda a actividade se prepara na linha de tiro recém construída por aquelle regimento.

É provável que o chefe dos instructores vá assistir á prova deste torneio para verificar o resultado obtido.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXI, edição 054, de 06/03/1914, página 5 – *mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Organização do Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar, em 1915

A Federação, no dia 04 de março de 1915, noticiava:

Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar

Já se acha em via de organização o Grupo de Metralhadoras da Brigada Militar, creado por decreto do Governo do Estado de 16 de novembro do anno findo.

A instrucção do pessoal praça de pret, inferiores e soldados, atingiu á escala de secção, tendo sido ministrada a instrucção individual com a maxima minuciosidade.

Foi verificado o maior desembaraço no manejo dos telemetros, tendo sido feita a pratica do processo do millesimo com brilhante resultado.

O manejo de fogo e o fogo tem sido muito satisfactorios, havendo alvos batidos com muita justeza a 1.300 metros e aquem em outras distancias, avaliadas no momento.

Organisado o grupo, o que breve se dará, contará elle desde logo com pessoal apto e dextro no serviço da metralhadora Colt, cuja simplicidade muito concorreu para a rapidez com que foi ministrada a instrucção.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXII, edição 051, de 04/03/1915, página 5 – *mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – A Chácara das bananeiras, em 1914.

A Federação, no dia 04 de março de 1914, noticiava:

Brigada Militar do Estado

Quartel na Chácara das Bananeiras

Outras Construcções

É sempre agradável uma visita á Chácara das Bananeiras.

O local é aprasivel, offerecendo magníficos pontos de vista, de onde se descortina a cidade e partes da margem opposta do Guahyba.

A presença dos morros não concorre menos para o encanto do sitio, ainda que desse lado do horizonte se restrinja, confundidos, a curta distância, o verde da vegetação com o azul do céu, numa perspectiva commum dos nosso campos.

Causam boa impressão os accidentes do terreno, as ondulações da encosta e a curva sinuosa das cristas. O ar pareço mais leve, sendo incontestavelmente mais fresco e mais puro.

Tudo dispõe bem o espirito do visitante, para apreciar o sitio nos mínimos detalhes da natureza e nos muitos e importantes melhoramentos ali introduzidos pela mão do homem.

Graças ás providencias de um governo fecundo, que cogita de dotar a milícia estadual de installações adequadas ao bem-estar das praças e a uma perfeita instrucção militar, indispensável ao bom desempenho das funcções de qualquer força armada, os proprios da Brigada Militar recebem contínuos aperfeiçoamentos, sendo digno de nota especial o que se passa na Chácara das Bananeiras.

A primeira construcção ali feita, para fins militares, foi a linha de Tiro, trabalho importante, de grandes vantagens para o preparo da tropa, e que represente também a primeira modificação do aspecto do local. Posteriormente, o edifício existente foi aproveitado, depois de ultimadas as adaptações indispensáveis para quartel do deposito de recrutas. Ahi são recolhidos os recrutas da Brigada Militar para serem classificados e distribuídos pelos corpos quando passam a prompto da instrucção preparatória.

Ultimamente verificou-se a conveniencia de construir-se um quartel amplo e confortavel, tendo o benemérito governo do Estado autorisado a execução das obras correspondentes, que vão adiantadas.

Este quartel fica localisado á direita da linha de Tiro e no alinhamento do “stand».

A posição é magnífica, não somente quanto ás condições de salubridade e facilidades da instrucção, como quanto á vista. Dahi se descortina um panorama verdadeiramente bello, como em todos os pontos elevados das cercanias de Porto Alegre.

Lá fomos ter, uma manhã, em companhia do illustre commandante da força estadual, coronel Cypriano Ferreira, que solicitamente nos prestou informações sobre a construcção e seu destino.

Foi necessário nivelar o terreno, procedendo-se a regular desaterro.

Numa extremidade da área a desaterrar via-se uma muda viçosa de timbauva, oscillando ao sopro do vento brando.

O coronel Cypriano mandou poupar a arvore nova, recommendando que na estação propicia removessem-na para um lugar que está reservado ao cultivo de plantas florestaes, conforme noticiamos, há dias.

Depois de apreciarmos as obras, pedimos para ver a planta e colhemos os dados que se seguem.

Quartel do Deposito de Recrutas

Posto que assim designado, o quartel destina-se também a alojar uma secção de metralhadoras.

As dimensões são 80 metros de frente por 50 de fundo, com um vão livre de 9,5 metros e 4,5 de altura.

Terá quatro alojamentos para praças, as dependencias necessarias á administração, prisões correccionaes, escola regimental, refeitórios e depositos de armamentos e mais materiaes; será provido de exgottos, agua e luz.

O pateo interno será circumdado por um alpendre, permittindo o transito sob coberta enxuta.

A construçção foi contractada por 117:000$000, com o constructor João Cattani, por ter sido a sua proposta julgada a mais vantajosa das apresentadas em concurrencia publica.

Espera-se que as obras estejam concluídas no fim de um anno.

Deposito de Munição

Á direita do quartel descripto e no seu alinhamento fica uma edificação elegante, de pequenas dimensões, destinada ao deposito de munições.

Outras construcções

Na frente do actual quartel do deposito de recrutas, delle separado pela rua que divide o terreno da Chácara das Bananeiras, ficam outras construcções: uma casa para moradia, um deposito de vehiculos e um picadeiro.

O deposito de vehiculos é um edifício de paredes de taboas, coberto de zinco, medindo 21 metros de frente, por 11 de fundo.

Está dividido em duas partes desiguaes; por uma parede longitudinal, achando-se installadas na menor área as baias dos animaes de tracção.

Todas as baias são providas de agua encanada para os bebedouros, tendo estes dispositivos especiaes para o escoamento da água conspurcada pelos animaes.

As mangedouras são dotadas de adaptações que facilitam a distribuição da forragem e a limpeza.

O fechamento das baias é de um systema simples e seguro, adoptado em todos as cocheiras da Brigada.

A construcção foi feita administrativamente, com o pessoal das officinas, do que resultou sensível economia.

O picadeiro é uma construcção solida, toda de madeira, sendo as columnas fixadas em pilares de alvenaria por meio de fortes peças de ferro.

Em toda a frente há um balcão, de onde os espectadores podem assistir aos exercícios de equitação.

A cobertura é de telha de “eternit”.

Mede 26 metros de frente, 12 de fundo e 5 de altura

Ha um talude interior, em todo o perímetro, com 0 m 70 X 0 m 25, para proteger a pessoa que se exercita.

A ventilação é completa e o terreno perfeitamente secco.

Está sendo feito administrativamente, com o pessoal das oficinas, pois as duas propostas apresentadas foram consideradas muito onerosas.

O picadeiro destina-se ao exercicio de equitação de officiaes e praças.

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXI, edição 052, de 04/03/1914, página 3 – *mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Irmãs de Caridade na direção do Hospital da Brigada Militar – em 1912.

Correio do Povo, no dia 2 de março de 1912, sexta-feira, noticiava:

Hospital da Brigada

Foi hontem, ás 6 horas da manhã, entregue ás irmãs de caridade franciscanas, a direcção do hospital da Brigada Militar do Estado, situado no morro do Crystal. No primeiro trem da estrada de ferro da Tristeza, seguiram para ali o coronel Cypriano Ferreira e seu ajudante de ordens, tenente José Augusto Wellausen. A inauguração official desse estabelecimento far-se-á dentro de poucos dias, pelo dr. Carlos Barbosa, presidente do Estado, devendo, para isso, ser convidadas as autoridades desta capital. Servem actualmente no hospital quatro enfermeiras, sob a direcção da irmã Casemira. O padre Estevam, capellão do hospital, conta 72 annos de idade, é um velhinho amavel, residindo no Brazil ha 42 annos, sendo de nacionalidade allemã.

Foto do Hospital da Brigada Militar, em 1918.

Foto do Hospital da Brigada Militar, em 1918.

Hospital da Brigada Militar
Crédito: CP memória

Fonte: Jornal Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo”.

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Criação do Curso de Ensino – Em 1916.

CURSO DE ENSINO – 1916

O tenente-coronel Afonso Emilio Massot, comandante geral da Brigada, compreendendo a inadiável necessidade de bem instruir os comandados, habilitando-os suficientemente ao desempenho de todas as funções militares, resolveu com muito acerto e oportunidade, a criação de um curso limitado de preparatórios, para oficiais e inferiores.

Medida de louvável alcance e proveito imediato – atestado nos primeiros e subsequentes exames a que se submeteram os alunos – mereceu no seio da Força vivos aplausos, porque preenchia grande falta e satisfazia a uma velha, legitima e geral aspiração.

Eis a justificação e programa do referido curso:

“Quartel do Comando Geral da Brigada Militar em Porto Alegre, 1º de março de 1916.

ORDEM DO DIA Nº 31

Para conhecimento e devida execução publico o seguinte:

CURSO DE ENSINO

Desejando proporcionar aos oficiais e inferiores da Brigada Militar os meios de se aperfeiçoarem no conhecimento de várias matérias de instrução intelectual, sem sacrifícios pecuniários, resolvo criar um “Curso de Ensino” de dois anos, para esse fim especial, obedecendo ao programa seguinte:

MATÉRIAS DE ENSINO

Português. Francês, Matemática, Geografia, História do Brasil e Desenho Linear.

1º ANO

Português – Ensino prático da língua portuguesa, dando-se preferência a exercícios de composição e redação, e resumo oral de trechos lidos. Verbos regulares; análise gramatical; termos essenciais da proposição (sujeito e predicado.)

Francês – Verbos auxiliares e regulares; tradução e versão de palavras isoladas, frazes e temas, gradualmente mais difíceis. Conversação.

Aritmética – Operações práticas sobre números inteiros; noções de divisibilidade; frações decimais e ordinárias; sistema métrico.

Geografia – Parte física e política do Rio Grande do Sul.
Geometria – Estudo prático.

História do Rio Grande do SuI
Desenho linear.

2º ANO

Português – Elementos de sintaxe; analise lógica de trechos de prosa fácil; redação: resumo oral de trechos lidos; verbos irregulares;

Francês – Leitura e tradução dos livros “Beautés de Chateaubriand” ou “Morale Pratique de Barrau”; versão de prosa gradualmente mais difícil; noções de sintaxe; verbos irregulares. Conversação.

Aritmética – Revisão da matéria do 1º ano; extração de raízes; regras de três, de juros, de sociedade, tendo em vista a resolução de problemas de aplicação prática.

Geografia – Parte física e política do Brasil; elementos de cosmografia.

Geometria – Estudo prático.

Álgebra – Noções até equações de primeiro grau.

História do Brasil.

Desenho Linear.

ABERTURA DAS AULAS
A 3 de abril próximo serão reabertas as aulas do curso.

MATRÍCULA

Os oficiais e inferiores que desejarem frequentar as aulas do curso deverão solicitar verbalmente sua matrícula ao capitão secretário do comando geral, até 20 do corrente mês.
Afonso Emilio Massot, tenente-coronel.”

Foram nomeados os seguintes professores:

Português – Major Miguel José Pereira

Francês – Léon Back

Aritmética e Álgebra – Tenente Jaime da Costa Pereira

Geografia e História – Tenente-Coronel Antônio Joaquim Teixeira Neto

Geometria e Desenho – 1º Tenente Emilio Lúcio Esteves.

Fonte: Esboço Histórico da Brigada Militar – Major Miguel Pereira – Ed. Oficinas Gráficas da Brigada Militar, 1950, Volume I, páginas 497 e 498.