Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Tenente-Coronel Claudino Nunes Pereira assume o comando do 1º Regimento de Cavalaria da Brigada Militar, em 1914.

A Federação, no dia 27 de março de 1914, sexta-feira, noticiava:

Louvor em ordem do dia

É do theor seguinte a ordem do dia com que o coronel Cypriano Ferreira, commandante geral da Brigada Militar, louvou o tenente-coronel Claudino Nunes Pereira, ao desligal-o do seu estado-maior:

“Quartel do Commando Geral da Brigada Militar em Porto Alegre, 26 do março de 1914.

Ordem do dia n.171. – Para conhecimento e devida execução, publico o seguinte:

Commando do 1° Regimento: — Louvor.—Tendo entregado ao seu substituto a repartição que se achava a seu cargo o tenente-coronel Claudino Nunes Pereira do 1º Regimento de Cavallaria, nomeado para este posto por acto do exmo. sr. presidente do Estado, de 23 do agosto do anno findo, determino que assuma hoje o respectivo commando.

Desligando do Estado-Maior da Brigada o digno official que vinha desempenhando desde 6 de janeiro do 1908, com  infatigavel atividade, as funcções de Assistente do Material, cumpro agradavel dever louvando-o pela íntelligencia, zelo e solicitude com que se conduziu no cumprimento do seus deveres, revelando competencia não vulgar e dando irrefragaveis provas de seu devotamento ao serviço.

Embora vendo-me com pezar privado do seu valioso e leal concurso na Assistência, sinto, todavia, viva satisfação com a escolha que fez o governo de sua pessoa para a elevada cathegoria de chefe de corpo, onde, certamente novos e distinctos serviços virá prestar á causa publica.

(Assignado) Cypriano da Costa Ferreira, coronel.

 

Fonte: A Federação, Anno XXXI, Edição 072, de 27/03/1914, sexta-feira, página 5. *Mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Tabela de continências da Brigada Militar, em 1910.

Correio do Povo, no dia 27 de março de 1910 noticiava:

Brigada Militar – A tabela de continencias adoptada actualmente na Brigada Militar estabelece continencia aos secretarios d”Estado, ao chefe de policia e aos membros da Assembléa do Estado e do Superior Tribunal do Estado, quando incorporados. Nos acompanhamentos e enterros, os officiaes e praças irão cobertos apenas se descobrindo nas egrejas e outros actos religiosos. Quando militares da Brigada enfrentarem um feretro, apenas farão continencia sem se descobrirem.

Fonte: Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo”.

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Preleção médica sobre o alcoolismo, no quartel do 1º Regimento de Cavalaria da Brigada Militar, em 1917.

A Federação, no dia 26 de março de 1917, – feira, noticiava

Prelecção medica sobre álcool em quartel da Brigada Militar

SANTA MARIA, 26 – O dr. Becker Pinto effectuou, no quartel da Brigada, perante o commandante, officiaes e soldados, uma dissertação medica sobre o alcoolismo agudo e suas consequências e tratamento.

Antes de entrar na matéria medica fez o sr. Becker Pinto considerações geraes sobre a disciplina, a obediência e a abnegação, demonstrando através da historia como taes virtudes vêm ligadas á grandeza da pátria e das instituições, trazendo o aperfeiçoamento individual.

Perorando agradeceu o comparecimento dos officiaes e comandante do Regimento, a quem qualificou de exemplar na paz e na guerra, o herói da Divisão do Norte, junto ao general Salvador Pinheiro, sahindo do governo com a gloria indefectível de conservador da acção governamental do egrégio chefe, dr. Borges de Medeiros, a quem substituiu.

Fonte: A Federação, Anno XXXIV, Edição 071, de 26/03/1917, segunda-feira, página 5. *Mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Torneio de Sinaleiros, em 1914

A Federação, no dia 26 de março de 1914, quinta-feira, noticiava:

Torneio de Signaleiros

Com o fim de pôr á prova o aproveitamento dos graduados e praças que fazem o exercício de signaleiros na Brigada Militar, serão opportunamente organizados torneios dentro de cada corpo e um final entre os corpos.

Nessas provas os concorrentes deverão transmitir e receber recados em tempo mínimo, demonstrando destreza e conhecimento das abreviaturas do código de signaes.

Fonte: A Federação, Anno XXXI, Edição 071, de 26/03/1914, quinta-feira, página 6. *Mantida a grafia da época.

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Manifestação da Apreço ao Coronel Claudino Nunes Pereira, em 1914

A Federação, no dia 26 de março de 1914, quinta-feira, noticiava:

MANIFESTAÇÃO DE APREÇO

Por ter de assumir, hoje, o comando do 1º Regimento de Cavallaria da Brigada Militar, recebeu, hontem, uma manifestação de apreço de seus camaradas officiaes que servem no estado-maior o nosso amigo Tenente-Coronel Claudino Nunes Pereira que, por muito tempo, exerceu o cargo de Assistente do Material da mesma força.

Ás 13 horas, os officiaes acima, reunidos na repartição em que veiu de servir  o Tenente-Coronel Claudino, fizeram-lhe entrega  de um fino estojo de couro para campanha, contendo objectos próprios para toillete, sendo ofertante em nome de seus companheiros o Major Armando de Moraes Silveira, que pronunciou um ligeiro discurso, cheio de phrases repassadas de saudade, gratidão e protestos de solidariedade.

Respondendo, o Tenente-Coronel Claudino disse que a vontade de trabalhar e de acertar e o trato amigo que se honra de ter mantido sempre com seus camaradas, não soffrerão a mínima solução de continuidade, pois em o novo posto de responsabilidade em que se acha colocado, saberá corresponder á confiança do governo, de seus amigos e camaradas, tudo envidando pelo engrandecimento da Brigada Militar e, portanto, do Estado.

Com saudade, pois, despede-se também de seus camaradas, agradecendo-lhes a oferta valiosa e pondo-se á sua disposição como amigo e companheiro d’arma.

O Tenente-Coronel Claudino, em seguida, percorreu todas as dependências da repartição da Assistência do Material, despedindo-se de seus auxiliares.

Fonte: A Federação, Anno XXXI, Edição 071, de 26/03/1914, quinta-feira, página 6. *Mantida a grafia da época.

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Ambulância adquirida na Europa, para a Brigada Militar, em 1911.

Correio do Povo, no dia 26 de março de 1911, sábado, noticiava:

 Automovel da Brigada – Vimos, na estação do Riacho, da estrada de ferro da Tristeza, o grande automovel com accommodações para nove pessoas, mandado vir da Europa para o serviço de ambulancia da Brigada Militar.

Fonte: Correio do Povo – Coluna “Há um século no Correio do Povo”.

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Exame prático para postos de Capitão e Major, em 1916

A Federação, no dia 25 de março de 1916, sábado, noticiava:

Resultado do exame pratico na Brigada Militar para os postos de major e capitão

Publicamos abaixo a acta dos exames realizados na Brigada Militar:

“Aos vinte e cinco dias do mez de março de mil novecentos e dezeseis, a commissão abaixo assignada, sob a presidencia do sr. tenente-coronel Affonso Emilio Massot, encerrou os trabalhos do exame iniciado no dia 15 do corrente, approvando os candidatos inscriptos:

Para o posto do major – Capitães Candido Pinheiro de Barcellos e João Candido Machado, grau oito; Accacio Caetano de Almeida, grau seis; Manoel Gonçalves Cardoso e Felicio Augusto de Almeida, grau cinco e meio.

Para o posto do capitão – Tenentes José Freire do Oliveira e Souza, grau nove; Felippe Pedro Barcellos, grau oito; Pio Barcellos do Nascimento e Cassiano Vasques, grau sete; José Machado da Silva, grau seis e meio; Candido Alves de Mesquita, Paulino Luiz Braga e Americo Monteiro da Costa, grau seis; e Manuel Luiz Valente, grau cinco.

Porto Alegre, 25 de março de 1916.

Affonso Emilio Massot, tenente-coronel presidente; Francellino Rodrigues Cordeiro, tenente-coronel; Claudino Nunes Pereira, tenente-coronel; Anatolio Baeckel, 1º tenente; Emilio Lucio Esteves, 2º tenente”

Fonte: Jornal A Federação, ano XXXIII, edição 071, de 25/03/1916, sábado, página 6. *Mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Falecimento de oficial do 2º Regimento de Cavalalria da Brigada Militar, em 1914

A Federação, no dia 21 de março de 1914, sábado, noticiava:

Falecimento de official

Victimado por pertinaz moléstia, succumbiu, ante hontem, ás 23 horas, em sua residência, no Crystal, o tenente do 2º Regimento de Cavallaria da Brigada Militar, adido ao 1º Regimento, José Alves de Miranda Filho, dando-se o sepultamento do inditoso oficial hontem, ás 16 horas, no Cemiterio da Tristeza, tendo-lhe prestado as honras fúnebres a que tinha direito um Pelotão de Infantaria de 36 homens, sob o comando do tenente Landell dos Santos.

O tenente Miranda, que deixa viúva e oito filhos, fez toda a campanha de 93 a 95 e era muito considerado entre seus camaradas, tanto por suas qualidades de oficial brioso e compenetrado dos deveres da profissão como por suas virtudes de exemplar chefe de família.

 

Fonte: A Federação, Anno XXXI, Edição 067, de 31/03/1914, sábado, página 6 * Mantida a grafia da época

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Visita do Presidente do Estado à Chácara das Bananeiras, em 1915.

A Federação, no dia 19 de março de 1915, sexta-feira, noticiava:

 Visita presidencial

Conforme havíamos noticiado, visitou hontem o Posto de Veterinaria e as diversas installações da Brigada Militar na Chácara das Bananeiras, arrabalde do Parthenon, o exmo. Sr. dr. presidente do Estado.

A’s dez e meia horas, tendo chegado á residencia de sua exa. o coronel dr. Cypriano da Costa Ferreira, acompanhado dos capitães Anatolio Baeckel, instructor chefe, Cândido Pinheiro de Barcellos, secretario e alferes Pellegrino Castiglioni, ajudante de ordens, dirigiu-se para o Posto de Veterinária, instalado no antigo quartel de cavallaria da Várzea do Gravatahy, levando mais em sua comitiva os drs. Protasio Alves, secretario do interior, Domingos Mascarenhas, deputado federal, Renato Costa, official do gabinete e o capitão Lourenço Galant, ajudante de ordens.

O percurso foi feito em automoveis, tendo sido occupados tres destes vehiculos.

A’s dez horas e trinta e cinco minutos chegavam os visitantes ao Posto de Veterinaria, sendo ahi recebidos pelo respectivo encarregado, alferes Francisco Monte.

Logo em seguida dirigiram-se para a ferraria do posto, que se achava funcionando, trabalhando quatro operarios na confecção de ferraduras.

Teve, então, o dr. presidente do Estado, occasião de ver o fabrico de algumas dessas peças, elogiando s. exa. a aptidão dos homens empregados nesse mistér pois a ferraria do Posto de Veterinária apronta até duzentas ferraduras por dia e isso com aproveitamento de ferro velho, proveniente de objectos inserviveis e das próprias ferraduras usadas.

Sahindo da ferraria dirigiu-se sua exa. para um dos pateos do Posto, onde poude observar alguns especimens de reproductores e éguas.

Entre outros foram apresentados o cavallo Indio, puro sangue inglez, pello tostado, de 18 a 20 annos de idade, adquirido em 1905; um mestiço, filho de Menelick, pelo vermelho, com 2 annos de idade; Menelick, puro sangue Orloff, pello, escuro, com 20 annos, animal de tracção; egua meio sangue, zaina, 3 annos, filha de Menelick; egua meio sangue bolognez, pelo picaço, 3 ½ annos, animal de tracção; bolognez ½ sangue, escuro, 3 annos, tracção; bolognez ½ sangue, tordilho, 3. Anos, tracção; reproduclor Remember, 15 annos, zaino.

Visitou sua exa. em seguida as baias do estabelecimento em numero de sessenta e quatro, passando dahi para um segundo pateo, onde estavam cerca de 50 cavallos, tratados á meia estabulação, parte creoulos, reforçados, gordos, e que muito bem impressionou.

Vistos estes animaes, encaminnaram-se todos para a grande mangueira do Posto, onde se achavam encerrados para mais de 250 cavallos do campo, de diversos, pellos e bella apparencia, apesar de não terem trato especial.

Num pequeno potreiro ao lado foram reunidas cerca de 140 eguas de 3 a 5 annos, ½ sangue, 110 já padreadas pelos jumentos e pelos cavallos reproductores, sendo estes em numero de dois e aquelles de tres.

Viram-se mulas e burros de 1ª, 5 mezes, tendo sido muito admirado um destes, pello zaino e avaliado já em um conto de réis.

Eram 11 e 20 minutos, quando se deu por terminada a visita, tendo sua exa. o dr. presidente, antes de sahir, felicitado o encarregado do Posto, alferes Francisco Monte, pela ordem que notou e pela boa impressão que teve de tudo quanto viu.

Deixando o Posto de Veterinária, tomaram os automoveis a direção da Linha de Tiro da Brigada, ahi chegando ás 12 horas.

Neste local foram os visitantes recebidos peto tenente-coronel dr. Assis Brazil, que se occupava em trabalhos de equitação, capitão commandante do Grupo de Metralhadoras, Augusto Januário Corrêa e respectiva oficialidade, capitão Jayme da Costa Pereira, director do Deposito de Recrutas com os officiaes seus auxiliares e o tenente instructor Cicero Perfeito Ferreira.

Desembarcando junto ao Picadeiro, instalação modelar no gênero, ahi estiveram, durante ½ hora, sua exa. o dr. presidente, respectiva comitiva e os demais officiais.

Durante este tempo, o dr. Assis Brazil prelecionou sobre os processos que emprega para o ensino da equitação, desde os exercícios gymnasticos no cavallo de pau até os mais difíceis, em movimento, com o proprio cavalo.

Visto o picadeiro, teve lugar a visita ao elegante e confortável quartel das metralhadoras, quase a concluir-se, tendo sido este edifício percorrido em todas as suas dependencias. No pateo interno do mesmo acha-se prompto e installado um systema competo do apparelhos de gymnastica, como existem nos demais quarteis da milicia.

Perto do quartel das metralhadoras, e já construído ha algum tempo, existe o Paiol de Munição, servindo lambem provisoriamente de parque daquellas armas.

Ahi estiveram os visitantes, tendo sua exa.o dr. presidente examinado todo o material neste local depositado, recebendo detalhadas informações a respeito dadas pelo coronel commandante geral, como sejam o fabrico de arreios e cargueiros apropriados para as metralhadoras, feitos nas officinas da Brigada, caixas de munição etc.

Ao deixar o paiol de munição foi sua exa. assistir á formatura a cavallo de uma secção do Grupo de Metralhadoras, comandada pelo alferes Paulino Leite, a qual, após algumas evoluções, retirou-se a quartel ás 13 horas e 10 minutos.

Convidado pelo comandante geral coronel Cypriano Ferreira, sua exa. e respectiva comitiva tomaram o caminho que conduz ao Stand de tiro, em cuja sala de honra se detiveram em rapida palestra, dirigindo-se todos, momentos depois, para o salão ondo se achava posta uma mesa para um lauto almoço.

Este terminou ás 15 ½ horas, sendo ao champagne brindado por sua exa. o dr. presidente do Estado, o coronel commandante geral da Brigada, dr. Cypriano da Costa Ferreira. Neste brinde disse sua exa. que, visitando o local da Linha de Tiro da Brigada, o fazia não só para observar os novos melhoramentos, ahi introduzidos, mas tambem e muito particularmente para trazer ao coronel Cypriano com bastante significação o seu abraço de despedida, além do que iria levar-lhe por occasião da partida; que os serviços inestimáveis prestados pelo coronel Cypriano, tanto na guerra como nos labores da paz constructora, á Brigada e ao Estado o tornavam credor da alta consideração dos poderes publicos e da sua particular, pois contava esse digno militar entre o numero de seus melhores amigos: que o nome do coronel Cypriano estava ligado ao facto da Republica e que, vendo-se privado do seu leal e fecundo concurso, tinha a certeza, entretanto, de que o Governo
Federal, chamando-o para o desempenho da alta funcção de chefe do Estado Maior da 3ª divisão, saberia avaliar o mérito do illustre militar que é um ornamento de sua classe.

Levantava sua taça em honra do coronel Cypriano.

Em resposta disse este sentir-se justamente, desvanecido por saber terem, sido bem apreciados os serviços que com dedicação e lealdade prestou á Brigada Militar e, portanto, ao Rio Grande, sua querida terra natal.

E mais desvanecido ainda quando via partir da mais alta auctoridade, do Estado conceitos tão elevados á sua humilde pessoa.

Ao dr. Borges de Medeiros, emérito presidente do Estado, glorioso chefe do partido republicano, querido e acatado, agradecia tão elogiosas referencias, levantando também a taça em sua honra.

A’s 16 horas, após ter-se servido café, teve lugar um ligeiro exercício de fogo de uma secção de metralhadoras, batendo-se alvos até 500 metros, fazendo-se diversas especies de tiro, principalmente o ceifante vertical.

Terminado este exercício com geral agrado de todos, dirigiram-se sua exa. o dr. presidente, o coronel Cypriano, o dr. Mascarenhas e os demais membros da comitiva e oficiais presentes para a represa do Arroio Ferradura, distante do stand mais ou menos 2 kilometros, tendo sido feito o trajecto, parte em automoveis e parte a cavallo. Durante este percurso poude ser observada a optima estrada de rodagem que, por conta da Brigada, está sendo construída, vendo-se já promptos trabalhos numa extensão de 1.000 metros.

Esta construcção está sendo dirigida pelo capitão Figueiró, oficial reformado da milícia.

A’s 17 horas chegaram os visitantes á referida represa, destinada á fornecer a todos os edificios da Linha de Tiro agua boa o em abundância, a qual é levada a uma caixa installada aquém do morro abaixo de cuja vertente opposta corre o Ferradura.

Junto da represa acha-se a casa das machinas que fazem funcionar a bomba destinada áquelle fim.

Ainda sobre o Ferradura, no ponto em que passará a estrada em construcção, acha-se quasi concluído um bello pontilhão, feito pelo official que dirige os trabalhos da mesma estrada.

Deixando a represa seguiram todos a percorrer os extensos campos dobrados, cobertos aqui e ali de bosques, alguns com arvores de madeira de lei, passando assim por quatro casas de posteiros, que tantos são os que ahi existem, bem cuidadas e confortáveis.

A’s 7 ½ horas chegaram os excursionistas ao açude feito no alto de um morro e uns 200 metros de altitude, podendo dahi descortinar bellissimos panoramas em todas as direcções.

A’s 18 ¼  horas, após quase duas leguas de cavalgada, chegaram todos ao ponto em que se achavam os automoveis, parte terminal da estrada prompta, seguindo dahi novamente para o stand do tiro, onde foram servidos café e licor.

No livro dos visitantes ficou consignado o seguinte: “18 de março de 1915 – Visita em despedida ao illustrissimo coronel Cypriario da Costa Ferreira, que parte para a Capital
Federal, onde vae assumir a chefia do Estado Maior do Quartel General da 3ª Divisão.

(Assignados) Borges do Medeiros, Protasio Alves, tenente-coronel Assis Brazil, dr. Domingos Mascarenhas, dr. Renato Costa, official de gabinete”.

Eram 19 horas quando sua exa. o dr. presidente e os que o acompanharam, deixaram a Chacara das Bananeiras, chegando à cidade ás 19 horas e 25 minutos.

Fonte: A Federação, Anno XXXII, Edição 063, de 19/03/1915, sexta-feira, página 1 * Mantida a grafia da época.

 

Atual instalações da Academia de Polícia Militar

A BRIGADA, HÁ UM SÉCULO … – Concerto Musical da Banda da Brigada Militar, em 1914

A Federação, no dia 14 de março de 1914, sábado, noticiava:

Sem título

 

 

 

Texto da imagem transcrito abaixo

 

 

 

 

 

GRANDE

CONCERTO INSTRUMENTAL

 Domingo, 15 de Março

 A Grande banda da brigada Militar, gentilmente cedida pelo Sr. Commandante Geral, Dr. Cypriano da Costa Ferreira, executará pela segunda vez nesta capital, a pedido geral o grandioso poema épico-musical

24 DE MAIO

Da lavra do maestro Pedro Corrêa Borges e que tanto agradou em sua primeira edição, alcançando francos applausos.

O grande concerto do qual tomam parte 120 figuras, começará ás 17 horas, Domingo, 15 do corrente, no Jardim Zoológico Villa Diamela, Menino Deus.

PROGRAMMA

1ª PARTE

Pedro Borges – Marcha Solemne LIBERDADE

Esta marcha foi composta pelo maestro Pedro Borges e dedicada ao Exmo. Sr. Presidente do Estado Dr. A. A. Borges de Medeiros, por ocasião de sua segunda posse ao governo do Estado.

O motivo predominante da Marcha é apresentado por uma Banda de Trompetas á grande distancia e representado no grande concertante final.

Rossini – Simphonia GUILHERME TELL

2ª PARTE

Verdi – 1º acto da opera ERNANI

3ª PARTE

Pedro Borges – Poema 24 DE MAIO. Peça composta pelo maestro Pedro Borges, na qual tomam parte Bandas de cornetas, tambores, clarins de guerra e fogo de artilharia e fuzilaria.

O poema é dividido em um prólogo e 7 partes assim discriminadas:

PRÓLOGO – Aurora de 24

1ª PARTE – Saudades da Patria (solo para clarinete)

2ª PARTE – Após o toque de carneação (polka militar)

3ª PARTE – Em liberdade (andante)

4ª PARTE – Batalha (Allegro agitado)

5ª Parte – Victoria (Grandioso concertado)

6ª PARTE – Feridos (Andante final)

7ª PARTE – Final – Hymno Nacional

Domingo o numero de bondes para o Menino Deus será augmentado.

Fonte: A Federação, Anno XXXI, Edição 061, de 14/03/1914, sábado, página 5  * Mantida a grafia da época.